Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto sem data cedida em 2 de outubro de 2017 pela Polícia Metropolitana de Las Vegas mostra Marilou Danley

(afp_tickers)

A namorada do responsável pelo massacre de Las Vegas, que deixou 58 mortos, disse nesta quarta-feira que desconhecia os planos de seu companheiro de atirar contra uma multidão.

"Conheci um Stephen Paddock bondoso, carinhoso e tranquilo", disse Marilou Danley em um comunicado lido por seu advogado, Matthew Lombard. "Eu o amei e apostei em um futuro tranquilo juntos".

"Nunca me disse nada ou fez qualquer ação que me alertasse que algo terrível como isso pudesse acontecer", continuou o texto.

Danley, de 62 anos, explicou que há duas semanas Paddock lhe disse ter encontrado uma passagem de avião barata para que fosse visitar sua família nas Filipinas.

"Como todos os filipinos no exterior, estava emocionada em ir para casa e ver parentes e amigos" e "enquanto estava lá me enviou dinheiro, que disse que era para comprar uma casa para mim e para minha família", indicou em referência à transferência de 100.000 dólares que ele lhe enviou.

Em um momento pensou que Paddock quisesse terminar a relação.

"Nunca me ocorreu de nenhuma maneira que estivesse planejando algo violento contra ninguém", disse.

A mulher, que tem nacionalidade australiana e mora nos Estados Unidos desde os 22 anos, assegurou que ficou devastada ao saber da notícia do massacre, o pior com arma de fogo na história recente do país, e enviou suas condolências aos familiares das vítimas.

"Sou mãe e avó, e meu coração sofre por todos aqueles que perderam um ente querido", expressou a mulher, que assegurou que voltou voluntariamente aos Estados Unidos e colaborará com o FBI na investigação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP