Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 13 de outubro de 2005 mostra visitante do Museu de Ciências, em Londres, estuda a aranha-do-mar

(afp_tickers)

As aranhas-do-mar não fazem o sangue e o oxigênio circularem pelos seus corpos com a ajuda de corações que batem vigorosamente, como a maioria dos animais, mas através de intestinos que agem como bombas, disseram pesquisadores nesta segunda-feira.

"Diferentemente de nós, com nossos intestinos confinados a uma só cavidade corporal, os intestinos das aranhas-do-mar se ramificam por várias seções do tubo digestivo e descem até o final de cada pata", explicou o autor principal do estudo, publicado na revista Current Biology, H. Arthur Woods, da Universidade de Montana, na cidade de Missoula.

Woods ficou fascinado pelas gigantescas aranhas-do-mar quando trabalhava na Antártica, onde passava "muito tempo simplesmente vendo os fluxos do sangue e do intestino" nesses animais.

Percebeu que seus corações batiam fracamente e moviam o sangue só na parte central dos seus corpos. No entanto, seus intestinos mostravam ondas de contrações fortes e organizadas.

Este processo é conhecido como movimentos peristálticos, e ocorre também no corpo humano, com ondas de contração e relaxamento voluntários dos músculos.

Seu propósito nas pessoas é ajudar na digestão, misturar o conteúdo do intestino e movê-lo através deste.

"As descobertas destacam a grande diversidade evolutiva de soluções aos problemas que todos os animais encontram", afirma o estudo.

AFP