Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma ilustração da Nasa mostra o disco voador, conhecido como Low-Density Supersonic Decelerator (LDSD)

(afp_tickers)

A agência espacial dos Estados Unidos adiou para quinta-feira o teste inicialmente previsto para esta quarta com o maior paraquedas já lançado, cuja tecnologia permitirá pousar naves espaciais em Marte - a causa do atraso seriam condições meteorológicas "desfavoráveis".

"Os responsáveis ​​pela missão adiaram a segunda tentativa de lançamento do paraquedas (...) devido a condições desfavoráveis ​​no oceano", informou a Nasa em sua página oficial.

O próximo lançamento, feito no arquipélago do Havaí no Pacífico, está agendado para quinta-feira às 14h30 (horário de Brasília).

"A altura das ondas no oceano é sempre um problema para a equipe que deve recuperar a cápsula (à qual o paraquedas está acoplado) e seus dados após a imersão" no mar, explicou a Nasa.

A agência espacial norte-americana começou a testar esta tecnologia em 1976, quando a missão Viking colocou duas sondas em Marte. Mas como o objetivo é enviar astronautas para o planeta vermelho até 2030, a agência espacial precisa de paraquedas mais avançados, feitos com tecnologia de nova geração, que permitam que as naves pousem suavemente.

Como a atmosfera de Marte é muito pouco densa, qualquer paraquedas que ajude a suavizar o pouso de uma espaçonave pesada e que tenha alta velocidade, precisa ser mais forte.

O paraquedas (chamado "Low-Density Supersonic Decelerator", ou LDSD) é descrito pela agência como o "maior já enviado até hoje". Tem 30 metros de diâmetro e seu objetivo é "reduzir a velocidade de entrada do veículo de Mach 2 para uma velocidade subsônica".

O teste vai consistir no envio de seu disco voador e o paraquedas a uma altitude de 37 quilômetros sobre o Oceano Pacífico com a ajuda de um balão gigante. O balão vai lançar a espaçonave e foguetes vão levantar o veículo ainda maior para 55 quilômetros, atingindo velocidades supersônicas.

AFP