Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ilustração cedida pela Nasa em 20 de julho de 2016 mostra dois planetas do tamanho da Terra, em relação ao Sol

(afp_tickers)

A agência espacial americana (Nasa) anunciou, nesta quarta-feira (4), duas missões para asteroides com o objetivo de estudar os primórdios da história do Sistema Solar.

As missões foram batizadas de Lucy e Psyche, e a Nasa espera que tenham início em 2021 e 2023, respectivamente.

O período que a Nasa quer se aprofundar é uma era de cerca de 10 milhões de anos depois do nascimento do Sol.

A missão Lucy, nomeada assim pelo famosa australophitecus encontrada na Etiópia em 1974, envolverá o envio de uma nave espacial robótica para estudar os chamados asteroides "troianos", de Júpiter.

"É uma oportunidade única", afirmou Harold Levinson, principal pesquisador da missão Lucy.

"Os 'troianos' são remanescentes da matéria principal que formou planetas exteriores e conservam a pista vital para decifrar a história do Sistema Solar. Lucy, como o fóssil humano que tem o mesmo nome, revolucionará o entendimento das nossas origens", acrescentou.

Já a missão Psyche tem o objetivo de explorar um tipo de asteroide de metal chamado 16 Psyche, que está três vezes mais distante do Sol do que a Terra.

A maioria dos asteroides é composta de rocha, ou de gelo, mas se acredita que este seja de aço e de níquel, como o núcleo da Terra.

A Nasa afirmou que os cientistas consideram a possibilidade de Psyche ser um núcleo exposto de um antigo planeta tão grande quanto Marte, mas que seu exterior rochoso se desfez devido a violentas colisões há bilhões de anos.

A missão ajudará os pesquisadores a compreender como planetas e outros corpos se separaram e formaram crosta, manto e núcleo.

"Esta é uma oportunidade para explorar um novo tipo de mundo, não de rocha ou gelo, mas de metal", disse a principal pesquisadora da missão Psyche, Lindy Elkins-Tanton, da Arizona State University, em Tempe.

AFP