Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem de Marte obtida pela NASA, divulgada em 14 de julho de 2014

(afp_tickers)

O robô que a Nasa pretende mandar a Marte em 2020 será equipado com sete instrumentos científicos que permitirão realizar experiências e testar tecnologias de exploração, anunciou nesta quinta-feira a agência espacial americana.

Os sete instrumentos, avaliados em 158 milhões de dólares, foram selecionados entre 58 propostas apresentadas por cientistas e engenheiros de todo o mundo.

A missão Marte 2020 tem um conceito similar à exploração de 2012 com o robô Curiosity, o primeiro a chegar ao planeta vermelho e que continua em funcionamento.

O novo robô será mais sofisticado, poderá realizar análises geológicas do local do pouso, determinar a habitabilidade do entorno e buscar, pela primeira vez, sinais de vida passada em Marte.

Os cientistas também selecionarão uma coleção de rochas marcianas e amostras de solo que serão armazenadas no robô. Além disso, tentarão buscar a forma com que os seres humanos vão produzir oxigênio a partir do dióxido de carbono (CO2), muito presente na atmosfera marciana.

"Marte tem os recursos suficientes para ajudar a dar suporte à vida, o que pode reduzir a quantidade de provisões que as missões tripuladas terão que levar", disse William Gerstenmaier, encarregado das emissões tripuladas da Nasa.

A operação Marte 2020 será lançada em julho de 2020 e tem um custo de US$ 1,9 bilhão. Está previsto que o novo robô pouse no planeta vermelho em fevereiro de 2021.

AFP