Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O governador da Flórida, Rick Scott, em Orlando, no dia 13 de junho de 2016

(afp_tickers)

As autoridades locais da Flórida informaram nesta terça-feira (28) sobre o nascimento de um bebê com microcefalia associada ao zika vírus.

Trata-se do primeiro caso registrado nesse estado do sudeste dos Estados Unidos, e o quinto no país.

"Nos parte o coração saber que nasceu um bebê com microcefalia vinculada ao zika no nosso estado, e minhas orações estão com a mãe e com o menino", disse o governador da Flórida, Rick Scott, em um comunicado.

A mulher contraiu o zika no seu país de origem, Haiti, e viajou para os Estados Unidos para dar à luz, segundo o comunicado.

A microcefalia, uma má-formação cerebral que impede o desenvolvimento completo do feto, pode ocorrer quando a mãe é infectada pelo zika durante a gravidez.

No texto, o governador recordou que destinou 26,2 milhões de dólares dos fundos estatais para medidas de prevenção e de resposta ao zika, mas a Flórida ainda espera que Washington desbloqueie fundos federais para atender melhor a essa emergência.

Ontem, o senador pela Flórida Marco Rubio lamentou que a Câmara Alta tenha sido incapaz de aprovar o envio de fundos federais.

"Essa absoluta falta de liderança em Washington terá consequências devastadoras para os americanos já afetados pelo zika e para muitos outros que se infectarão nos próximos meses", disse Rubio.

"Os Jogos Olímpicos começarão em menos de 40 dias e milhões de americanos viajarão para o Brasil, onde o vírus da zika está se propagando rapidamente, e temos de estar preparados", afirmou Scott no comunicado.

No Brasil, o país mais afetado, foram registrados 1.616 casos de microcefalia desde o início da epidemia de zika, em outubro passado, segundo dados do Ministério da Saúde.

A zika é uma doença aparentemente leve, que se propaga principalmente através da picada de mosquitos infectados pelo vírus, mas também pode ser transmitida sexualmente e da mãe para o feto durante a gestação.

A epidemia atual, que atinge principalmente os países da América do Sul, revelou estar associada a transtornos neurológicos e, principalmente, à microcefalia - má-formação que se caracteriza por um tamanho abaixo da média da cabeça de bebês de mães infectadas com o zika, e que prejudica o desenvolvimento cerebral.

Infecções pelo zika já foram constatadas em 60 países e territórios.

Na Flórida, 223 pessoas já foram infectadas pelo zika, das quais 40 são grávidas, segundo o Departamento de Saúde do estado. Todos os casos foram importados, mas as autoridades afirmam que é questão de tempo até que o vírus comece a se propagar localmente.

Nos Estados Unidos, nasceram até agora quatro bebês com defeitos de nascimento vinculados ao zika, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Também foram registrados quatro abortos vinculados à infecção pelo zika no país, informou a agência sem oferecer detalhes.

AFP