Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Lançamento da nave russa Progress em 28 de abril de 2015

(afp_tickers)

A nave espacial não tripulada Progress, em queda livre rumo à Terra desde que os operadores russos perderam o controle há uma semana, se desintegrará entre a noite de quinta-feira e a madrugada de sexta ao entrar na atmosfera - anunciou a agência espacial Roskosmos.

"O satélite vai deixar sua órbita entre 01H13 e 04H51 hora de Moscou (19H13 e 22H51 de Brasília do dia 07 de maio)", disse a Roskosmos em uma nova declaração publicada nesta quinta-feira.

"A nave se desintegrará na íntegra ao atravessar as camadas da atmosfera da Terra. Apenas alguns pequenos fragmentos chegarão à superfície do planeta", completa.

O local exato onde a nave vai cair ainda é desconhecido, mas quase todas os cargueiros deste tipo se desintegram na atmosfera ou caem nos oceanos, que cobrem a maior parte da superfície da Terra.

Segundo a Roskosmos, a queda da nave Progress M-27M em direção à Terra não deve ser diferente de uma nave controlada. A cada ano, três ou quatro naves Progress viajam até a Estação Espacial Internacional (ISS) para transportar material.

Em 28 de abril, algumas horas depois do lançamento da Progress M-27, que seria acoplada à Estação Espacial Internacional (ISS), a nave de transporte de material deixou de responder aos engenheiros russos e começou a ter reações incontroláveis.

Foi confiada a uma comissão de inquérito determinar as circunstâncias do incidente, que parece ter ocorrido no momento da separação entre a nave e o foguete, segundo o vice-presidente da Roskosmos, Alexander Ivanov.

Além do material, a Progress também transporta uma réplica da bandeira soviética que o Exército Vermelho hasteou em 1945, em Berlim. Ela seria utilizada pelos astronautas russos da ISS para celebrar o 9 de maio, data que marca a vitória aliada contra os nazistas na II Guerra Mundial.

A perda da nave de carga vai custar cerca de 500 milhões de euros, mas não põe em risco a tripulação da ISS, que tem reservas para vários meses.

Uma nave de abastecimento Dragon, da empresa norte-americana SpaceX, deve chegar à ISS a partir de 19 de junho.

AFP