Navigation

New START: importante tratado de desarmamento nuclear entre Rússia e EUA

Rússia e Estados Unidos têm até 5 de fevereiro para prolongar um tratado-chave de desarmamento de seus arsenais nucleares, o New START,no úlltimo pacto deste tipo selado pelos dois velhos rivais da Guerra Fria afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. janeiro 2021 - 15:39
(AFP)

Rússia e Estados Unidos têm até 5 de fevereiro para prolongar um tratado-chave de desarmamento de seus arsenais nucleares, o New START, o último pacto deste tipo selado pelos dois velhos rivais da Guerra Fria.

Esses são os elementos-chave do texto que o novo presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, diz estar disposto a prolongar por mais cinco anos.

- Herança do "recomeço" -

O acordo foi assinado em 2010 na capital da República Tcheca, Praga, pelos dois presidentes da época: o americano Barack Obama e o russo Dmitri Medvedev. Foi um elemento fundamental da política de "recomeço" do momento, uma tentativa do governo americano de retomar as relações com o Kremlin.

As negociações sobre sua extensão antes de 5 de fevereiro ocorrem em um contexto de desconfiança mútua máxima, a maior desde a Guerra Fria, entre acusações de interferência eleitoral, de espionagem e, mais recentemente, de ataques cibernéticos.

- Redução dos arsenais -

O acordo New START estabelece que ambas as potências nucleares podem possuir, como máximo, 1.550 ogivas cada um (cerca de 30% do limite marcado em 2002). Também limita o número de lançadores e de bombardeiros pesados para 800, uma quantidade que, no entanto, ainda basta para destruir a Terra várias vezes.

O tratado também envolve uma série de inspeções mútuas das instalações militares, um pilar da política de desarmamento denominado "Confia, mas verifica", defendido pelo ex-presidente americano Ronald Reagan.

O processo de renovação do tratado é simples e exige apenas que Washington e Moscou o aprovem através de uma nota diplomática.

- Incluir a China? -

As negociações para renovar o acordo estiveram em ponto morto durante toda a presidência de Donald Trump, que queria incluir a China, outra potência nuclear importante, nas restrições dos arsenais.

Durante uma rodada de negociações organizada em Viena no ano passado, o emissário americano chegou a publicar no Twitter uma imagem da bandeira chinesa junto a uma cadeira vazia na sala de negociações. "A China não se apresentou", escreveu, apesar de a China não estar planejada para comparecer ao encontro.

- Último tratado -

Durante a presidência de Trump, Estados Unidos se retirou abruptamente de dois importantes tratados internacionais: o acordo sobre o programa nuclear iraniano e o "Tratado de Céus Abertos" sobre vigilância aérea.

Washington também saiu do tratado de desarmamento sobre as forças nucleares de alcance intermediário (INF), assinado durante a Guerra Fria com Moscou.

O último líder da União Soviética, Mijaíl Gorbachov, que em 1987 assinou o tratado INF com Ronald Reagan, fez um apelo para que Washington e Moscou prolongassem o acordo New START.

- Concessões mútuas -

Nos meses anteriores às eleições presidenciais americanas, Moscou e Washington fizeram concessões mútuas para prolongar o acordo New START, mas não chegaram a um acordo.

O presidente russo, Vladimir Putin, propôs prolongá-lo por um ano sem nenhuma condição prévia para ter a chance de realizar "negociações substanciais".

Biden, um dia depois de tomar posse do cargo, afirmou estar disposto a estender o tratado por cinco anos pelo bem da "segurança nacional".

Nesta sexta-feira, a Rússia recebeu com alegria esta proposta, mas disse que aguarda os detalhes para dar sua aprovação.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.