Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem vota durante eleição municipal em Manágua, em 5 de novembro de 2017

(afp_tickers)

Ao menos cinco pessoas morreram e onze ficaram feridas nesta segunda-feira por atos de violência ocorridos após a publicação dos resultados da eleição municipal de domingo, que dão a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) como vencedora, segundo relatos de dirigentes e da imprensa.

Duas das vítimas são originárias da remota comunidade caribenha de Sandy Bay Sirpe e foram identificadas como Bruce Spellman Chow e Shando Smith Gadea, ambos do partido indígena Yatama, disse à AFP seu dirigente George Henríquez.

Elías Pineda Blandón, que estava como fiscal em uma mesa de votação em Wiwilí (norte) pelo Partido Liberal Constitucionalista (PLC-direita), morreu com um disparo na cabeça, informou à imprensa em Manágua o porta-voz dessa formação, Jorge Irías.

Róger Córdoba e Wilder Moreno, membros do partido Cidadãos pela Liberdade (CxL), seriam os outros dois mortos. Seu falecimento ocorreu no município de Yalí, jurisdição de Jinotega (norte), disseram dirigentes do agrupamento.

O consórcio de observação Panorama Eleitoral, não autorizado pelo Conselho Supremo Eleitoral (CSE), em seu informe de incidências durante as eleições tinha o registro de quatro das mortes ocorridas e 11 feridos por bala e morteiros em diferentes locais, além de uma mulher grávida desaparecida em San Miguelito (Río San Juan).

A Polícia ainda não se pronunciou sobre esses casos denunciados.

Em Sandy Bay também reportaram três feridos por tiros, em um incidente que supostamente levou a um conflito maior entre simpatizantes do Yatama e do FSLN, que acabou com os dois mortos supostamente pelas mãos de um dirigente sandinista local, disse Henríquez à AFP.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP