Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro da Saúde nigeriano, Onyebuchi Chukwu, fala em uma audiência pública sobre a epidemia do vírus Ebola, na Assembleia Nacional, em Abuja, em 6 de agosto de 2014.

(afp_tickers)

Um médico que tinha tratado do primeiro paciente com Ebola da Nigéria faleceu, aumentando para cinco o número de vítimas da febre hemorrágica no país, anunciou nesta terça-feira o ministro da Saúde, Onyebuchi Chukwu.

O ministro informou, em um comunicado, que o doutor foi um dos primeiros a ter tido contato com o primeiro caso de Ebola registrado no país e foi "o mais experiente a intervir nos cuidados com este paciente".

Em 25 de julho, Patrick Sawyer, de 40 anos, um funcionário do Ministério das Finanças da Libéria, faleceu em um hospital de Lagos, cinco dias depois de sua chegada de avião procedente de Monróvia.

Três outras pessoas que tiveram contato com Sawyer morreram depois de Ebola, sendo um encarregado da Comunidade Econômica de Estados do Oeste da África (Cedeao), que tinha ido buscá-lo no aeroporto e dois trabalhadores médicos que ficaram responsáveis por seu tratamento.

"Com este evento lamentável, o número total de mortos ligados ao vírus Ebola chega a cinco" na Nigéria, acrescentou Chukwu.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tinha reportado na véspera 15 casos de infecção por Ebola na Nigéria. Todos se localizam em Lagos, a cidade mais populosa da África subsaariana, com mais de 20 milhões de habitantes.

Segundo o último balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS), estabelecido em 16 de agosto, a epidemia de Ebola no oeste da África matou 1.229 pessoas, 466 na Libéria, 394 na Guiné e 365 em Serra Leoa.

AFP