Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeiras da União Europeia

(afp_tickers)

A União Europeia (UE) pediu ao governo chinês, neste sábado (1º), que permita ao Prêmio Nobel da Paz e dissidente político Liu Xiaobo, com câncer em fase terminal, seguir o tratamento médico de sua escolha, inclusive no exterior.

Esta semana, a Justiça determinou sua liberdade por questões de saúde, depois de ter sido diagnosticado com um câncer de fígado em estágio terminal no início de junho.

Em 2009, Liu foi condenado a 11 anos de prisão por "subversão", após reivindicar reformas democráticas no país.

Em um comunicado, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que a saúde de Liu Xiaobo continua a se deteriorar.

"A União Europeia espera que a República Popular da China lhe conceda a liberdade condicional por motivos humanitários e lhe permita receber assistência médica no lugar que escolher na China, ou no exterior", declarou.

"Também esperamos que a China retire todas as limitações de movimento à mulher de Liu e aos membros de sua família", acrescentou.

"Devem poder se reunir e receber visitas daqueles que desejarem e ter a possibilidade de se comunicar livremente com o mundo exterior", insistiu Mogherini.

Amigos da família desse Nobel da Paz, de 61 anos, relatam que Liu e sua esposa, Liu Xia, querem poder viajar para o exterior para que ele seja tratado do câncer.

AFP