Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Simulação em computador fornecida pela Yara International ASA em 10 de maio de 2017, em Oslo, mostra o navio cargueiro elétrico e autônomo

(afp_tickers)

A Noruega vai construir a partir de 2018 o primeiro barco cargueiro 100% elétrico e autônomo do mundo, que permitirá a cada ano 40.000 viagens de caminhão a menos, anunciaram os idealizadores do projeto.

Com uma autonomia de mais de 65 milhas náuticas (120 quilômetros), a embarcação terá capacidade de transportar uma centena de contêineres, ou seja, entre 3.000 e 3.500 toneladas, a uma velocidade de entre 12 e 15 nós, indicou à AFP o diretor do projeto, Bjørn Tore Orvik.

Resultado de uma associação entre o fabricante de fertilizantes Yara International e o grupo industrial Kongsberg, transportará fertilizantes entre os portos de Porsgrunn (sul da Noruega) e de Brevik e Larvik, a 8 e 30 milhas náuticas de distância, respectivamente.

"A cada dia são necessárias mais de 100 viagens de caminhões com motores a diesel para transportar produtos da fábrica de Porsgrunn aos portos de Brevik e Larvik, de onde enviamos o produto aos nossos clientes em todo o mundo", explicou o diretor geral da Yara, Svein Tore Holsether, em um comunicado.

"Com o novo cargueiro autônomo de baterias, transferimos o transporte da estrada para o mar e, fazendo isto, reduzimos as emissões de partículas, melhoramos a segurança nas estradas e reduzimos as emissões de CO2 e de NxOy (óxido de nitrogênio)", destacou.

Ao mesmo tempo, deve representar uma economia de 678 toneladas de CO2 por ano, de acordo com a Yara.

Quase toda a energia elétrica utilizada para recarregar o navio terá origem hidráulica.

De acordo com o plano, o cargueiro será utilizado, sem tripulação, a partir de 2020.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP