Navigation

Nova acusação contra ex-presidente da Pemex no caso Odebrecht

Emilio Lozoya foi detido na Espanha em fevereiro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. julho 2021 - 09:05
(AFP)

Emilio Lozoya, ex-presidente da empresa estatal mexicana de petróleo Pemex, é objeto de novas acusações pelo provável desvio de recursos no âmbito do caso de subornos pagos pela empresa brasileira Odebrecht, informou no domingo a agência de inteligência da Secretaria de Fazenda.

A Unidade de Inteligência Financeira (UIF) afirma em um comunicado que "identificou um esquema de lavagem de dinheiro na Pemex de 2012 a 2016 por meio de contratos concedidos a 34 empresas relacionadas com a Odebrecht, por quantias milionárias", afirma um comunicado.

De 2014 a 2016 a UIF localizou transferências de quase 150 milhões de dólares e presume que os recursos desviados poderiam ter sido destinados a campanhas eleitorais em vários estados.

A unidade afirma que Lozoya que comandou Pemex de 2012 a 2016, foi acusado ao lado de 11 pessoas de "corrupção política e desvio de recursos públicos" ante a Procuradoria Geral.

Ele já enfrenta um julgamento por uso de recursos de procedência ilícita, associação criminosa e propina.

Lozoya, que foi um colaborador próximo do ex-presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018), foi detido na Espanha em fevereiro de 2020 e extraditado ao México em julho do mesmo ano.

O executivo não foi para a prisão: ao chegar ao México ele foi transferido para um hospital e posteriormente conseguiu o direito de prisão domiciliar, depois virar testemunha de colaboração.

Em seu processo, ele denunciou ex-presidentes e políticos de vários níveis, mas não apresentou provas contra os acusados.

Lozoya é o único funcionário mexicano de alto nível que enfrenta acusações no caso da rede de subornos da Odebrecht, que afetou vários países da América Latina.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?