Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um saleiro é visto em restaurante de Nova York, no dia 23 de abril de 2015

(afp_tickers)

Nova York reforçou nesta quarta-feira a luta contra o excesso de sal nas comidas ao aprovar uma legislação que obriga as redes de restaurantes a informar em seus cardápios quais alimentos são particularmente salgados, prejudiciais à saúde.

É a primeira cidade norte-americana a tomar uma medida do tipo, votada de forma unânime pelos responsáveis municipais da área de saúde.

Os pratos que tiverem mais de 2,3 gramas de sódio - superior à quantidade diária recomendada - deverão aparecer assinalados nos cardápios com um saleiro preto e branco.

O sal é a principal fonte de sódio e seu consumo em excesso está associado à hipertensão e a um risco mais elevado de doenças cardiovasculares e acidentes vasculares no cérebro, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo o organismo, a maioria das pessoas consume sal em excesso, de 9 a 12 gramas por dia em média - duas vezes mais do que o aporte diário recomendado (5 gramas de sal, 2 gramas de sódio).

Os alimentos processados são particularmente ricos em sal.

Esta nova regulamentação "deveria ajudar a melhorar ainda mais a saúde global dos nova-iorquinos", declarou a prefeitura da cidade.

"Com um simples gráfico no cardápio e uma informação para alertar os clientes sobre os pratos com muito sódio, os nova-iorquinos terão finalmente acesso a uma informação que fode afetar sua saúde", agregou.

AFP