Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Nova York poderia sofrer a cada cinco do mesmo tipo de inundações que antes sofria a cada 500 anos

(afp_tickers)

Nova York, capital financeira e cidade mais populosa dos Estados Unidos, pode sofrer a cada cinco com o mesmo tipo de inundações que antes sofria a cada 500 anos, indica um novo estudo.

A pesquisa foi publicada na revista americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), quando se aproxima o quinto aniversário da supertempestade Sandy, que deixou Nova York paralisada em outubro de 2012 e provocou a morte de mais de 150 pessoas.

Somente no estado de Nova York, Sandy causou danos que superam os 42 bilhões de dólares.

O estudo adverte que a frequência de grandes inundações poderia aumentar, e que os desastres que na era pré-industrial (antes de 1800) aconteciam a cada 500 anos, e entre 1970 e 2005 a cada 25 anos, poderiam acontecer a cada cinco anos entre 2030 e 2045.

As projeções da pesquisa estão baseadas no aumento do nível do mar e no possível colapso parcial do gelo antártico.

Embora os cientistas estejam de acordo que o nível do mar vai continuar subindo, eles não sabem em que proporção, e o estudo calcula que poderia aumentar entre 13 e 28 centímetros em Nova York entre 2000 e 2030.

Em longo prazo, se o gelo do oeste antártico derreter rapidamente, este aumento poderia ultrapassar os 2,4 metros em Nova York no final do século.

O estudo também indica que as emissões de gases de efeito estufa poderia continuar crescendo, criando um cenário adverso.

Da pesquisa participaram especialistas da Universidade de Rutgers, do estado da Pensilvânia, a Universidade de Princeton, o Massachusetts Institute of Technology (MIT), a Universidade de Massachusetts Amherst e a instituição oceanográfica Woods Hole.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP