Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um grupo de pesquisadores estabeleceu novas estimativas do risco de câncer de mama e de ovário entre as mulheres portadoras das mutações genéticas mais comuns (BRCA1 ou BRCA2)

(afp_tickers)

Um grupo de pesquisadores estabeleceu novas estimativas do risco de câncer de mama e de ovário entre as mulheres portadoras das mutações genéticas mais comuns (BRCA1 ou BRCA2), que aumentam a probabilidade de desenvolver um tumor nestes órgãos.

O estudo, que deve permitir melhorar o diagnóstico, se focou em cerca de 10.000 mulheres (6.036 com o BRCA1 e 3.820 com o BRCA2), das quais 5.046 não tinham câncer no início do projeto e 4.810 que desenvolveram um tumor na mama ou no ovário.

Os resultados foram publicados nesta terça-feira na revista Journal of American Medical Association (JAMA).

Durante um período médio de acompanhamento de cinco anos, 426 mulheres foram diagnosticadas com câncer de mama, 109 de ovário e 245 no seio no qual o tumor original não estava alojado.

O risco de câncer de mama entre as que entravam na idade adulta e os 80 anos era de cerca de 72% para as mulheres com a BRCA1 e de 69% para as que tinham o gene mutante BRCA2.

A incidência do câncer de mama aumentou rapidamente na faixa dos 30 a 40 anos para as que tinham a mutação BRCA1 e na faixa dos 40 a 50 anos com a mutação BRCA2, e manteve uma incidência constante no grupo de até 80 anos.

O risco de câncer de ovário até os 80 anos chegava a 44% para o grupo BRCA1 e a 17% para o BRCA2.

Em relação ao câncer no segundo seio, o risco acumulado 20 anos após o diagnóstico de um tumor no primeiro seio ficou em torno dos 40% nas mulheres com BRCA1 e em 26% naquelas com BRCA2.

A probabilidade de câncer de mama aumentou mais nas mulheres portadoras destas mutações genéticas quando há entre os membros de sua família (de primeiro e segundo graus) casos de câncer, determinaram os autores do estudo, comandado por Antonis Antoniou, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

"Este estudo mostra que o histórico familiar é um fator de risco importante para as mulheres portadoras deste genes mutantes e que a localização destas mutações também fazem o risco variar", resumiram os autores.

Segundo eles, estes resultados podem ajudar a estimar com maior precisão o risco de câncer de mama e de ovário e determinar com qual idade devem iniciar os testes sistemáticos de detecção.

Os casos de câncer de mama nos Estados Unidos são estimados em 2017 em 252.710, incluindo 40.610 mortes, segundo o Instituto Nacional do Câncer (NCI).

AFP