Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Operação de resgate na mina, localizada na região de Sakha

(afp_tickers)

Nove mineiros estavam desaparecidos nesta sexta-feira após a inundação de uma mina de diamantes na Sibéria, na qual encontravam-se 142 funcionários, informou o grupo Alrosa em um comunicado.

A água proveniente de uma pedreira em um grande depósito situado próximo à mina invadiu o local de extração, localizado em um assentamento sob exploração desde 1958 na República de Sajá, a aproximadamente 4 mil quilômetros de Moscou.

No total, 142 trabalhadores estavam dentro da mina, dos quais 133 conseguiram sair após horas de operação de resgate. "Continua a procura por 9 pessoas", declarou Alrosa em um comunicado.

Inicialmente, Alrosa, maior produtor mundial de diamantes, havia indicado que 151 trabalhadores estavam na mina, mas depois diminuiu este número para 142.

O acidente aconteceu depois que a pedreira abandonada perto da mina, com cerca de 300.000 metros cúbicos de água, transbordou, segundo o serviço de emergência.

O ministério de Situações de Emergência explicou que no local de resgate havia mais de 100 socorristas.

A televisão pública exibiu imagens da água invadindo uma sala de reuniões.

Inicialmente, a mina de Mir era uma pedreira de 1,3 km de profundidade e com mais de 500 m de diâmetro, até que se tornou uma mina a céu aberto em 2011.

Em 2009, uma mina subterrânea foi aberta e agora o local produz um milhão de toneladas de minério.

O órgão público responsável por investigar os grandes casos na Rússia abriu um inquérito por "violação das normas de segurança".

O presidente russo, Vladimir Putin, foi informado sobre o incidente, segundo seu porta-voz, Dmitri Peskov.

AFP