Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Os músicos da banda irlandesa U2, Larry Mullen Jr. e Bono durante apresentação da The Joshua Tree Tour, no Texas

(afp_tickers)

O U2, banda que há 35 anos ocupa espaço importante na cena do rock, anunciou nesta quarta-feira (30) "Songs of Experience", seu novo álbum, que já está pronto para ser lançado, após alguns ajustes devido à comoção gerada pela eleição de Donald Trump à Casa Branca.

Os músicos irlandeses lançaram nesta quarta-feira "Blackout", uma das músicas do novo disco. Porém, trata-se apenas de um aperitivo: a canção emblemática do 14º álbum se chama "You're the Best Thing About Me", e será lançada no dia 6 de setembro.

O novo trabalho é a versão mais adulta de "Songs of Innocence", lançado em 2014, inspirado em grande parte na infância do vocalista Bono, enquanto crescia nos subúrbios de Dublin.

- Novo panorama com Trump -

O grupo, que é muito comprometido na causa dos Direitos Humanos, decidiu voltar a trabalhar nas músicas após a vitória de Trump, ainda que a maioria das canções já estivesse gravada desde o ano passado.

"O principal estava escrito no início de 2016, e agora, acredito que estejam de acordo, o mundo está muito diferente", declarou The Edge, guitarrista da banda, à revista Rolling Stone.

Segundo ele, "é como se um pêndulo tivesse vindo subitamente mudando a direção".

Mais recentemente, Bono falou de seu desespero diante do projeto de Donald Trump de construir um muro na fronteira com o México, e assinalou que inclusive o ídolo dos republicanos americanos - Ronald Reagan - foi favorável à imigração, em entrevista à rádio Beats 1, da Apple.

O vocalista explicou que o novo álbum irá conter uma série de canções concebidas como cartas, uma delas intitulada "American Soul", dedicada ao país e ao seu passado como nação que recebeu imigrantes de todo o mundo.

"É uma bela ideia e é por isso que trabalhamos nisto", reconheceu o cantor de uma das músicas mais conhecidas, "Pride (In the Name of Love)", que é uma homenagem a Martin Luther King.

Bono também contou à revista Rolling Stone em outra entrevista que o U2 queria encurtar o álbum e pensou que seria uma boa ideia voltar ao estúdio para revisá-lo.

É provável que o U2 também faça o lançamento de uma forma mais tradicional que o de "Songs of Innocence".

Naquela ocasião, a Apple transferiu de forma gratuita o álbum a 500 milhões de contas do iTunes, mas sem perguntar previamente aos usuários. Até mesmo alguns fãs do U2 consideraram como um gesto infeliz o método usado pela gigante da informática.

As músicas do novo CD serão lançadas na mesma época da turnê dos irlandeses pelos Estados Unidos, que irá comemorar os 30 anos do disco "The Joshua Tree", considerado o álbum mais completo da banda do ponto de vista da composição.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP