Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O novo diretor de Comunicações Anthony Scaramucci prometeu realizar um novo começo na Casa Branca com um combate aos vazamentos não autorizados

(afp_tickers)

O novo diretor de Comunicações da administração de Donald Trump, Anthony Scaramucci, prometeu neste domingo promover um novo começo na Casa Branca com um combate aos vazamentos não autorizados, que há meses são manchetes, em sua maioria, desfavoráveis.

"Uma das primeiras coisas que quero fazer é para com os vazamentos", disse Scaramucci a um programa da Fox News neste domingo.

"É Washington, então será impossível impedir todos eles, mas acho que o que está acontecendo agora é um alto nível de falta de profissionalismo e não está servindo ao presidente", declarou, acrescentando que, se necessário, "tomará ações dramáticas para parar esses vazamentos".

Em comentário a outro programa de notícias, explicou o que uma "ação dramática" pode significar, prometendo demitir aqueles que falarem com a mídia sem autorização.

"Se eles quiserem continuar na equipe terão que parar de fazer vazamentos", declarou ao programa "Face the Nation", da emissora CBS.

Desde que tomou posse em janeiro, Trump tem sido atingido por inúmeros vazamentos de informação, revelando brigas internas, problemas de coordenação e conversas privadas.

Scaramucci foi nomeado por Trump na sexta-feira para comandar as relações com a imprensa. A mudança levou à demissão do porta-voz Sean Spicer, que foi substituído por Sarah Huckabee Sanders.

Neste domingo, Scaramucci disse que sua prioridade é mudar a "cultura" na assessoria de imprensa da Casa Branca, incluindo as críticas ao que Trump chama de "notícias falsas".

"Ele não sente que esteja sendo efetivamente defendido pela mídia padrão, com suas narrativas sem sentido", afirmou Scaramucci à CNN.

"Mudaremos isso para ele. Iremos defendê-lo muito, muito agressivamente quando coisas absurdas forem faladas sobre ele", concluiu.

AFP