Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial militar durante operação na Mangueira em 17 de julho de 2017

(afp_tickers)

Um policial foi morto nesta segunda-feira pela manhã na comunidade da Mangueira, no Rio de Janeiro, durante uma operação contra traficantes, que continuava durante a tarde, um dia após um tiroteio semear o pânico na Linha Vermelha.

"Policiais foram atacados a tiros em torno das 08H00. O cabo Bruno dos Santos Leonardo, de 29 anos, foi atingido na cabeça e não resistiu [...]. Era casado e deixa uma filha", informaram as autoridades em comunicado.

O agente foi morto enquanto realizava a troca de serviço da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na base avançada do Telégrafo.

Outro oficial foi atingido por um tiro na perna durante este ataque atribuído aos traficantes.

Após o incidente, o Comando de Operações Especiais (COE), batalhões da região e UPPs foram enviados à área como reforço para manter a ordem e procurar os suspeitos, afirmaram as autoridades.

Trocas de tiros ainda eram ouvidas na região no final da manhã, segundo constatou um fotógrafo da AFP.

Desde o início do ano, 88 policiais foram assassinados no Rio, 10 a mais do que no mesmo período do ano anterior, de acordo com a contagem das autoridades.

Os tiroteios se multiplicaram nas últimas semanas na cidade, com uma média de três pessoas atingidas por balas perdidas por dia durante os seis primeiros meses de 2017.

No domingo, a Linha Vermelha foi bloqueada durante várias horas por outro episódio de violência.

Homens armados ameaçaram roubar motoristas, a polícia interveio e houve trocas de tiros que causaram pânico.

Inúmeros vídeos amadores que circularam pelas redes sociais mostravam pessoas tentando se proteger atrás de seus carros. Testemunhas citadas pela imprensa afirmam ter visto alguns motoristas se esconderem na mala de seus veículos.

Outros preferiram abandonar os seus automóveis e se abrigar em uma delegacia próxima. As autoridades não informaram sobre vítimas.

AFP