AFP

Peritos trabalham em Londres após o atentado

(afp_tickers)

O atentado de Londres que deixou sete mortos foi reivindicado nesta segunda-feira pelo grupo Estado Islâmico, 24 horas depois de três homens atropelarem pedestres na London Bridge, antes de abandonar o veículo e começar a esfaquear pessoas em uma área de bares.

Esse atentado, onde também morreram os três agressores, acontece menos de duas semanas depois do ataque de Manchester, na saída do show de Ariana Grande, em que 22 pessoas morreram.

Os três agressores foram abatidos pela polícia no local do ataque.

Veja o que se sabe até agora sobre o ataque.

- O que aconteceu? -

A polícia recebeu alertas de que um veículo havia atropelado transeuntes na (ponte) London Bridge às 22H08 do horário local (21H08 GMT, 18H08 horário de Brasília).

Os avisos de emergência se multiplicaram e pouco depois a polícia confirmou que estava respondendo às informações de que pessoas tinham sido agredidas a faca no Borough Market, o conhecido centro que fica próximo à ponte.

A polícia reagiu rapidamente, e os agentes enfrentaram os suspeitos, que foram abatidos.

A morte dos suspeitos aconteceu oito minutos depois de a polícia receber o aviso do ataque, informou a instituição, acrescentando que os suspeitos carregavam algo parecido a um cinto de explosivos, que depois se revelaram falsos.

- Quantas vítimas? -

Sete pessoas morreram, incluindo uma canadense de 30 anos e um francês. Trinta e seis vítimas seguiam internadas nesta segunda-feira, entre as quais 18 se encontram em estado grave.

Entre os feridos há um policial de Londres, que foi um dos primeiros agentes a chegar ao local, e outro policial que não estava em serviço.

Também figuram sete franceses, entre eles quatro em estado grave, dois alemães, um búlgaro, um grego, um neo-zelandês e um espanhol. Um outro francês está desaparecido

- Onde foi? -

London Bridge é a ponte por donde passa uma das principais artérias que leva ao centro da "City" das finanças da capital britânica.

Borough Market, no sul da ponte, é uma área animada de bares e restaurantes que na noite de sábado, estava cheia de gente.

O local está próximo ao conhecido arranha-céu The Shard, o edifício mais alto do Reino Unido, com seus 309 metros.

A zona do ataque fica perto da estação London Bridge, um ponto importante da rede de transportes do metrô de Londres.

A van bateu contra as grades da Southwark Cathedral.

- A investigação -

A agência de propaganda da organização extremista Amaq disse que o ataque foi cometido por um "destacamento de combatentes do Estado Islâmico" (EI), em um comunicado divulgado no domingo.

A polícia, que já estabeleceu a identidade dos agressores, afirmou que irá revelar seus nomes "quando for operacionalmente possível".

A prioridade é assegurar que os três suspeitos não tinham cúmplices prontos para agir. "Não acreditamos que existam outras pessoas, mas devemos ter certeza absoluta", ressaltou nesta segunda--feira a chefe da polícia londrina, Cressida Dick.

Desde o atentado, a Polícia deteve 12 pessoas. Mais cedo nesta segunda-feira, duas pessoas tinham sido liberadas sem acusações. Horas depois, as seis mulheres e quatro homens que continuavam sob custódia também foram soltos.

Esses dez últimos haviam sido detidos na véspera em uma batida no bairro de Barking, no leste da capital britânica, de onde eram originários dois dos três autores do atentado cometido no sábado à noite.

O canal irlandês RTE, citando fontes policiais, afirmou nesta segunda que um dos três seria um marroquino que viveu em Dublin.

AFP

 AFP