Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Página do NHS britânico informando sobre problemas na rede de internet, em 12 de maio

(afp_tickers)

Computadores de dezenas de países sofreram na sexta-feira um ciberataque de escala mundial que afetou o funcionamento de empresas ou instituições como hospitais britânicos, bancos russos e fabricante de automóveis Renault.

Veja o que se sabe sobre o ataque.

- O que aconteceu? -

Da Rússia à Espanha e do México ao Vietnã, dezenas de milhares de computadores foram alvo de um programa de resgate (ransomware) aproveitando uma falha no sistema operacional Windows XP da Microsoft; uma antiga versão que já não contava com suporte técnico da companhia americana.

O chamado WannaCry "ransomware" bloqueia o acesso aos arquivos do usuário e pede dinheiro -por meio da moeda virtual bitcoin- para desencriptar esses arquivos.

- Que resgate foi pedido? -

Às vÍtimas do ataque foi pedido um resgate de 300 dólares em bitcoins.

Exige-se que o pagamento seja feito à vista em três dias. Caso o contrário, o valor passa a ser o dobro. Se a vítima se recusar a fazer o pagamento no prazo de sete dias, seus arquivos serão apagados, diz a mensagem que aparece na tela.

Os especialistas aconselham aos usuários não pagar, para que isso estimule os hackers. Não se sabe ainda se algumas vítimas pagaram resgate.

- Quantos países foram afetados? -

Com certeza dezenas, mas não se sabe o número exato.

A companhia de segurança cibernética F-Secure, com sede na Finlândia, afirma que foram 130.000 sistemas em mais de 100 países. A Kaspersky Lab disse que foram registrados incidentes em 74 países, a maioria na Rússia, mas comentou que sua visibilidade "talvez seja limitada e incompleta".

As vítimas mais notórias são hospitais na Grã Bretanha, a empresa espanhola de telecomunicações Telefónica, a fabricante francesa de automóveis Renault, a empresa de correios americana FedEx, o ministério do Interior russo e a operadora de ferrovias alemã Deutsche Bahn.

- Como o ataque foi propagado? -

Os especialistas explicam que o programa 'ransomware' parece admitir dezenas de idiomas, o que indica que os hackers queriam corromper redes no mundo todo.

O vírus se expandiu rapidamente porque os responsáveis usaram um código digital que se acredita ter sido desenvolvido pela Agência de Segurança Nacional (NSA) americana -e depois disso vazado como parte de um documento baixado-, de acordo com investigadores da empresa de segurança de informática Kaspersky Lab, que tem sede em Moscou.

O chefe de investigações de F-Secure, Mikko Hypponen, afirmou que a Rússia e a Índia foram os países mais intensamente atingidos porque muitos usuários desses países ainda usavam o Windows XP.

- Quem está por trás do ataque? -

Até agora não se sabe. Organismos de segurança nos países atacados tentam averiguar.

A empresa de segurança informática americana Symantec disse que o ataque parecia ser indiscriminado.

- Como os computadores podem ser protegidos? -

A Microsoft tomou a inusual medida de reeditar os patches de segurança que colocou à disposição em março para o Windows XP e outras versões antigas de seu sistema operacional.

A Kaspersky garantiu que está tentando desenvolver "o mais rápido possível" uma ferramenta de decodificação.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

AFP