Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Localização e armas utilizadas em tiroteios com maior número de mortos nos Estados Unidos.

(afp_tickers)

O que se sabe do tiroteio no domingo que matou 26 pessoas em uma igreja do Texas:

- O que ocorreu -

No domingo, pouco antes das 11H20 (15H20 Brasília), Devin Patrick Kelley, 26 anos, atirou contra fiéis na First Baptist Church, uma pequena igreja de paredes brancas, típica desta região do Meio Oeste dos Estados Unidos.

O agressor foi descrito pelas autoridades como um jovem branco que aparentemente se matou quando fugia de carro perseguido por dois cidadãos.

"Acredito que ele se matou com uma arma de fogo", declarou o xerife Joe Tackitt à rede de televisão CBS.

- O agressor -

Devin Kelley é descrito por quem o conhecia como um homem ansioso com uma vida pessoal e profissional frustrada. O autor do pior tiroteio ocorrido no Texas era um militar da Força Aérea que deu baixa após ser denunciado por violência conjugal.

Morava em New Braunfels, cidade situada a cerca de 50 km de Sutherland Springs, onde ocorreu o ataque.

Kelley expunha abertamente suas frustrações nas redes sociais e atacava frequentemente no Facebook a religião e os fiéis.

Muitos de seus ex-colegas de colégio relataram que Kelley era um ateu militante de comportamento hostil e dado a ataques de violência.

- Motivação -

A motivação do crime parece ser um conflito familiar, segundo o oficial da polícia texana Freeman Martin.

A sogra de Kelley frequentava a igreja onde ocorreu o massacre, mas ela não estava no local no domingo.

Segundo Martin, o atirador havia enviado uma mensagem com ameaça à sogra.

- Os heróis -

Durante a fuga do atirador, Stephen Willeford tomou o fuzil de Kelley e os dois trocaram tiros.

Johnnie Langendorff, que passava pelo local, viu a fuga de Kelley em uma SUV Ford Explorer e passou a persegui-lo.

Willeford "me informou rapidamente do ocorrido e me disse que era preciso detê-lo, então fiz isto", revelou Langendorff ao canal local KSAT.

Quando Kelley perdeu o controle de seu veículo, "o senhor que vinha comigo saiu e lhe apontou um fuzil sobre meu capô, dizendo para sair, mas ele não fez qualquer movimento".

- As vítimas -

O massacre deixou 26 mortos, incluindo um bebê de 18 meses, e 20 feridos, inclusive um menino de cinco anos, que recebeu quatro tiros.

Segundo a imprensa local, entre os mortos está o pastor interino da igreja e sua mulher.

A filha de 14 anos do pastor titular, que não estava na igreja, também morreu.

Ao menos oito membros de três gerações de uma família morreram, incluindo uma mulher grávida e seus três filhos.

- O debate -

O massacre reativou o debate sobre a posse e o porte de armas nos Estados Unidos. Ao que parece, o, Kelley não tinha permissão para ter o fuzil de assalto utilizado no ataque.

O presidente Donald Trump, de viagem pela Ásia, declarou que "ainda é cedo para abordar o tema", ao ser consultado sobre os pedidos por um maior controle sobre a venda de armas.

"A saúde mental é o problema aqui (...). Não é algo relacionado com as armas", disse em Tóquio.

Como em tantos outros tiroteios, os democratas aproveitaram para renovar os apelos a um maior controle sobre a venda e a posse de armas de fogo, um tema polêmico em um país que considera quase sagrado o direito de portar armas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP