AFP

(11 abr) O ônibus do Borussia Dortmund no local onde foi atingido por uma explosão

(afp_tickers)

O ônibus da equipe de futebol alemão Borussia Dortmund foi alvo, nesta terça-feira, de uma tripla explosão antes da primeira partida das quartas de final da Liga dos Campeões. A justiça anunciou a detenção de um suspeito "islamita" e falou em ato "terrorista".

Segue abaixo o que se sabe sobre o caso:

- Três explosões

Até as 19H15 local (17H15 GMT), três artefatos explodiram na passagem do ônibus Borussia Dortmund que acaba de sair de seu hotel e se dirige ao estádio, onde nessa mesma noite deveria enfrentar o Mônaco na primeira partida das quartas de final da Liga dos Campeões.

Alguns vidros do ônibus romperam em pedaços, e um jogador da equipe, o zagueiro espanhol Marc Bartra, de 26 anos, ficou ferido. Ele operou o punho durante a noite, em uma cirurgia exitosa, segundo o clube, e tratou os cortes no braço. O jogo foi adiado para essa quarta-feira às 16H45 GMT.

Aparentemente, os explosivos estavam ocultos em uma cerca e foram acionados com a passagem do ônibus.

Os artefatos utilizados tinham um alcance "explosivo" de 100 metros e continham "hastes metálicas" que foram espalhadas pela deflagração. Uma delas atingiu o encosto de cabeça de um assento dentro do ônibus, informou a procuradoria.

Estão sendo feitas análises suplementares para determinar o tipo de explosivo utilizado.

- Suspeito 'islamita' detido -

"Consideradas as modalidades" do ataque, o Ministério Público federal se referiu nesta quarta-feira a um ato provavelmente "terrorista" e anunciou a detenção de um suspeito "islamita".

A investigação tem se concentrado "em dois suspeitos que pertencem ao movimento islamita", cujos apartamentos foram registrados. Um desses dois homens foi detido, segundo Frauke Köhler, magistrada do MP federal.

Köhler confirmou que a polícia encontrou no lugar da tragédia três cartas idênticas de reivindicação, que indicariam um atentado extremista.

A mensagem exige o fim da participação da Alemanha na luta contra a organização extremista Estado Islâmico (EI) e a retirada de suas aviões de caça Tornado que participam nos bombardeios aéreos na Síria.

- Segunda reivindicação duvidosa -

O ministro do Interior da região da Renânia do Norte-Westfalia, onde as explosões foram registradas, Ralf Jäger, afirmou que a investigação continuava "em todas as direções".

"Pode-se tratar de extremistas de esquerda, de extremistas de direita, de torcedores violentos ou de islamitas", afirmou, estimando que a carta que menciona o grupo EI pode ser "uma tentativa de criar uma pista falsa".

Os investigadores descobriram, por outro lado, uma segunda reivindicação que circula pela internet e que atribui o ataque ao movimento antifascista, que teria desejado protestar pela indulgência do clube com seus torcedores de extrema direita.

Contudo, o MP federal disse ter "sérias dúvidas" sobre a autenticidade desse texto.

AFP

 AFP