Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher lava mãos com mistura de água e cloro como medida preventiva contra o vírus Ebola, em 31 de julho de 2014, num hospital na capital da Libéria, Monróvia

(afp_tickers)

O presidente americano, Barack Obama, estimou nesta quarta-feira que é prematuro usar o medicamento experimental desenvolvido nos Estados Unidos para tratar pessoas infectadas com o vírus Ebola na África Ocidental.

Obama disse que os países afetados deveriam se concentrar em construir uma "infraestrutura pública forte", acrescentando que "acredito que devemos deixar que a ciência nos guie, e não creio que tenhamos todas as informações para determinar se este remédio é eficaz".

O presidente enfatizou que o Ebola, um vírus que mata mais da metade dos infectados, "não é uma doença transmitida pelo ar".

"É uma doença que pode ser controlada e ser contida muito efetivamente se usarmos os protocolos adequados", afirmou.

Obama comentou ainda que "os países afetados são os primeiros a admitir que o que aconteceu é que os sistemas públicos de saúde se viram sobrecarregados. Não foram capazes de identificar e, então, isolar os casos rápido o suficientemente".

Segundo ele, os Estados Unidos estão trabalhando com sócios europeus e com a Organização Mundial de Saúde (OMS) para fornecer recursos que ajudem a conter a epidemia.

Pelo menos 932 pessoas morreram desde março na África Ocidental, segundo a OMS, vítimas do vírus Ebola. A doença pode ser transmitida pelo contato direto com fluidos de uma pessoa infectada. Os sintomas incluem febre, diarreia, vômitos, ou sangramento.

AFP