Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente americano, Barack Obama, é visto na Casa Branca, em Washington, no dia 5 de abril de 2016

(afp_tickers)

O presidente americano, Barack Obama, minimizou nesta terça-feira a proposta do aspirante republicano à Casa Branca Donald Trump de bloquear as remessas dos imigrantes mexicanos para financiar um muro na fronteira, ao considerá-la irrealista.

"Isso é outro exemplo de algo que não é devidamente analisado e é apresentado para consumo político", disse Obama na Casa Branca.

Donald Trump, o candidato favorito à indicação republicana, prometeu construir um muro para impedir a entrada no país de imigrantes ilegais e forçar o México a pagar os 8 bilhões de dólares que a obra custaria, um dos principais slogans de sua campanha à presidência.

Questionado sobre como obrigaria o México a financiar o projeto, o jornal The Washington Post anunciou que Trump lhe enviou um memorando detalhando seus planos.

Em um documento de duas páginas, Trump ameaça mudar uma disposição da lei antiterrorista (Patriot Act) a fim de reter uma parte das remessas enviadas as suas famílias pelos trabalhadores mexicanos, segundo o Post.

Os bilhões enviados ao México anualmente pelos migrantes constituem uma das principais fontes de recursos ao país, junto ao turismo e ao petróleo.

O Post ressalta que a factibilidade do plano de Trump não está clara, tanto do ponto de vista legal quanto político, alertando que a ideia pode dizimar a economia mexicana e provocar um confronto sem precedentes entre os Estados Unidos e um aliado comercial e diplomático chave.

AFP