Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Operários trabalham na Vila Olímpica, no Rio de Janeiro, no dia 21 de julho de 2015

(afp_tickers)

"É um time de futebol de mortos". A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro ligou o sinal de alerta nesta segunda-feira, ao informar que 11 operários perderam a vida desde 2013 em obras ligadas aos Jogos Olímpicos.

"É um número que assusta", comentou em entrevista à AFP o superintendente Robson Leite, lembrando que o total já supera os oito mortos das obras da Copa do Mundo de 2014, em todo o Brasil.

A conta macabra foi divulgada "para chamar a atenção e sensibilizar as autoridades sobre questões de segurança no trabalho e evitar novos acidentes", explicou.

De acordo com Robson Leite, o maior número de acidentes fatais ocorreu nas obras de extensão da linha 4 do metrô, que custou a vida de três operários.

Um deles teve a cabeça esmagada por um caminhão, outro caiu de uma escada e outro foi vítima de um acidente causado pelo rompimento de um duto de ar comprimido.

Outros dois trabalhadores morreram na construção do Parque Olímpico, que receberá a maior parte das competições.

Duas pessoas morreram em obras de museus que fazem parte do legado olímpico, o Museu da Imagem e do som, em Copacabana, e o Museu do Amanhã, no centro do Rio.

Outras mortes ocorreram durante obras de transporte, como na Transolímpica, a ampliação do Elevado do Joá e no sistema ferroviário da Supervia.

'Correria'

"Isso tudo foi causado por falta de planejamento, sem dúvida. É a correria na hora de concluir", lamentou Elaine Castilho, auditora fiscal que coordena a fiscalização, ao apresentar o relatório, que foi realizado em meio a ações do Dia Mundial da Segurança e da Saúde no trabalho, na quinta-feira.

Algumas obras atrasaram, como a construção do velódromo, e existe um temor de que a aceleração do ritmo de trabalho tenha consequências trágicas.

"Os operários não podem ter jornadas de trabalho exaustivas. Se isso acontecer, suspenderemos as obras", avisou Robson Leite.

A Superintendência chegou a suspender a atividade em alguns canteiros, como a construção do velódromo, no qual foi constatado "uma série de problemas", como a ausência de cintos de segurança ou falhas no sistema elétrico.

"Houve oito mortos nas obras da Copa do Mundo em todo o Brasil (foram 12 cidades-sede). Só no Rio, já temos 11", lamentou o superintendente, ressaltando que não ocorreram acidentes fatais nas obras dos Jogos de Londres-2012.

A prefeitura do Rio de Janeiro e o Comitê organizador Rio-2016 não responderam às solicitações da AFP.

AFP