Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Observadores da OSCE iniciaram nesta quarta-feira uma missão de vigilância em dois postos de controle na fronteira russo-ucraniana no sul da Rússia, anunciou o ministério russo das Relações Exteriores.

(afp_tickers)

Observadores da OSCE iniciaram nesta quarta-feira uma missão de vigilância em dois postos de controle na fronteira russo-ucraniana no sul da Rússia, anunciou o ministério russo das Relações Exteriores.

"O monitoramento dos postos de controle de Donetsk e Gukovo será assegurado por 16 observadores da OSCE 24 horas por dia", declarou o ministério em um comunicado, sem especificar quando a missão será concluída.

"Não está excluído a possibilidade de os observadores correrem perigo" devido aos combates entre as forças de segurança de Kiev e os separatistas pró-russos no leste da Ucrânia, alertou o ministério.

Convidando os observadores da OSCE aos postos de controle, Moscou procura responder às acusações de Washington e Kiev de que estes postos de fronteira são usados ​​para a passagem de combatentes e equipamento militar aos insurgentes pró-russos.

Para Moscou, a missão da OSCE é "mais uma prova da vontade da Rússia, que procura promover a desescalada do conflito interno ucraniano".

Ela vai se limitar ao monitoramento de uma parte da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, e não a sua totalidade.

Em 14 de julho a Rússia convidou os observadores a visitar os postos de controle Donetsk e Gukovo após a queda de um morteiro disparado a partir do território da Ucrânia em uma cidade russa.

Este disparo enfureceu Moscou, que havia ameaçado Kiev de possíveis "consequências irreversíveis" depois deste "ato de agressão" da Ucrânia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP