AFP

(Arquivo) O secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría

(afp_tickers)

A OCDE advertiu nesta terça-feira sobre a desigualdade salarial no mercado de trabalho e pediu aos países que tomem medidas para dividir melhor o fruto do crescimento econômico.

"O mercado de trabalho segue melhorando na zona da OCDE [...] mas as pessoas de baixa e média renda viram seus salários estancarem", indica um relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicado em Berlim.

Além disso, entre 1995 e 2015, a proporção de empregos semi-qualificados diminuiu 9,5 pontos percentuais nos 35 países membros da OCDE.

"Muita gente não sente os benefícios já que enfrenta salários estancados e nenhuma perspectiva profissional", assinalou Ángel Gurría, secretário-geral da OCDE.

A renda média disponível dos 10% mais ricos da população é agora nove vezes superior aos 10% mais pobres, quando há 25 anos era somente sete vezes maior.

Segundo a OCDE, o rechaço à globalização se explica pela "incapacidade das políticas públicas existentes de promover um crescimento inclusivo" que beneficie grande parte da população.

AFP

 AFP