Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A Guarda Nacional da Venezuela durante confronto com ativistas opositores em protesto contra o presidente Nicolás Maduro, em Caracas, em 8 de maio de 2017

(afp_tickers)

O Conselho Permanente da Organização de Estados Americanos (OEA) adiou para segunda-feira a definição da data para a reunião de chanceleres dedicada a Venezuela, após não conseguir chegar a um acordo sobre a proposta para 22 de maio.

Ao fim de uma reunião confusa, que deixou expostas divisões evidentes, a entidade decidiu nesta quarta-feira que o Conselho Permanente convoque para a segunda-feira uma sessão extraordinária para discutir e definir a data do encontro.

Originalmente, uma proposta do Canadá sugeria que a reunião de chanceleres fosse realizada em Washington em 22 de maio, mas a delegação do Equador sugeriu o dia 29 para que não concorresse com a posse do novo presidente equatoriano, Lenín Moreno.

A discussão mudou de rumo depois que delegações de países do Caribe expressaram sua insatisfação com a forma como se realizaram as consultas relativas à reunião de chanceleres e recusaram ser chamados para decidir uma data.

O representante de Antigua e Barbuda, Ronald Sanders, chegou a dizer que a realização de "reuniões secretas" para tentar negociar posições sobre a questão da reunião de chanceleres sobre a Venezuela era "absolutamente inaceitável".

"Várias delegações foram excluídas de qualquer discussão e continuamos sem saber quais são os resultados que se pretendem com a reunião de chanceleres", disse Sanders, em uma posição que foi apoiada por países como São Vicente e Granadinas e São Cristóvão e Nevis.

Diante da série de reclamações, o embaixador do México, Alfonso de Alba, afirmou em plenário que os países do Conselho eram "obrigados a atender estas preocupações".

Finalmente, diante da evidente insatisfação de diversas delegações, o Equador propôs que a decisão fosse adiada até a segunda-feira para que os diplomatas possam consultar suas capitais e definir também o que se espera conseguir com o encontro de ministros das Relações Exteriores.

A delegação canadense aceitou que a decisão sobre a data fosse adiata até a segunda-feira, mas lembrou que "o tempo urge na Venezuela".

O Conselho Permanente da OEA aprovou em 26 de abril a convocação de uma reunião de consultas no nível de chanceleres para discutir a crise política na Venezuela, uma decisão que levou o governo venezuelano a iniciar sua saída do organismo continental.

Embora a saída integral da Venezuela da OEA vá levar dois anos, a delegação não participa mais das discussões do Conselho Permanente e, portanto, durante a reunião desta quarta-feira seu assento permaneceu vazio.

Na sessão desta quarta-feira, o Conselho Permanente também aprovou que a próxima Assembleia Geral da OEA será em Cancún, México, entre 19 e 21 de junho.

Aprovou, ainda, a nomeação do magistrado colombiano Luis Vargas Silva como novo integrante da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP