Navigation

OEA convoca reunião extraordinária sobre Bolívia

(21 out) Manifestantes incendeiam escritório eleitoral na cidade boliviana de Sucre afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. outubro 2019 - 19:05
(AFP)

A Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou para amanhã uma sessão extraordinária de seu Conselho Permanente sobre a Bolívia, país onde a questionada vantagem do presidente Evo Morales nas eleições gerou violentos protestos.

"A sessão é convocada a pedido das missões permanentes de Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Venezuela com o propósito de considerar 'A situação na Bolívia'", informou a OEA em um comunicado divulgado nesta terça (22).

A reunião do Conselho Permanente, que reúne os embaixadores dos 34 países-membros ativos da organização, será na sede da OEA em Washington, às 11h (13h em Brasília).

A cadeira da Venezuela é ocupada por um enviado do chefe parlamentar e líder opositor, Juan Guaidó, e não por um representante do governo Nicolás Maduro. A legitimidade do atual presidente não é reconhecida pelo Conselho Permanente da OEA.

Na Bolívia, Morales, que governa desde 2006, está prestes a ser reeleito em meio a intensos protestos da oposição, que denuncia uma fraude e foi às ruas protestar. Também recebe críticas de observadores internacionais, que questionam a ventagem repentina do presidente.

Ontem, a Missão de Observação Eleitoral da OEA na Bolívia pediu que se respeite a vontade da população.

"A Missão da OEA manifesta sua profunda preocupação e surpresa com a mudança drástica e difícil de justificar na tendência dos resultados preliminares conhecidos após o fechamento das urnas", segundo um comunicado.

No domingo à noite, com mais de 80% das urnas apuradas, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) anunciou que haveria um segundo turno, em 15 de dezembro, entre Morales e seu principal oponente, o ex-presidente Carlos Mesa. Passadas 24 horas, apresentou dados que, inexplicavelmente, modificavam este resultado, outorgando a Morales uma vitória em primeiro turno.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.