Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carros blindados das forças pró-governo iemenita chegam a Ad Durayhimi, a nove quilômetros ao sul do aeroporto de Hodeida, em 13 de junho de 2018

(afp_tickers)

Trinta e nove rebeldes e soldados morreram nesta quinta-feira (14) em violentos combates perto de Hodeida, no segundo dia de uma ofensiva das milícias pró-governamentais iemenitas apoiadas por uma coalizão liderada pela Arábia Saudita para reconquistar esta cidade controlada pelos rebeldes huthis.

Segundo fontes militares e médicas, 30 insurgentes e nove membros das forças pró-governamentais perderam a vida nos combates, que são travados a alguns quilômetros do aeroporto de Hodeida.

O Reino Unido solicitou uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, que acontecerá nesta quinta-feira.

O porto, situado no Mar Vermelho, é estratégico nessa guerra iniciada há mais de três anos. É o ponto de entrada de boa parte das importações e ajuda humanitária do país.

Apesar dos bombardeios, o porto continua aberto, segundo a administração.

"A libertação de Hodeida é vital dada a ameaça crescente que as milícias huthis, apoiadas pelo Irã, sobre a segurança marítima no mar Vermelho, por onde passa 15% do comércio internacional", argumentou no Twitter o embaixador saudita em Washington, Khaled bin Salman, um dos filhos do rei saudita.

Os Emirados Árabes Unidos, que fornecem um apoio fundamental para as milícias iemenitas que combatem os rebeldes, haviam dado um prazo até a noite de terça-feira à ONU para encontrar uma solução e obrigar os huthis a deixarem Hodeida sem resistência.

O Conselho de Segurança da ONU pediu nesta quinta-feira que o porto se mantenha aberto às entregas de alimentos e itens humanitários.

No entanto, o Conselho não atendeu ao pedido da Suécia para congelar a operação militar a fim de dar tempo às negociações sobre a retirada dos rebeldes do porto no Mar Vermelho.

O Conselho se reuniu a portas fechadas a pedido do Reino Unido após as advertências da ONU sobre um desastre humanitário diante da ofensiva em Hodeida.

A Anistia Internacional advertiu que a operação militar ameaça os civis, e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha garantiu que a ofensiva vai degradar ainda mais a situação humanitária no país.

A cidade tem 600.000 habitantes, a metade deles crianças, segundo a Unicef.

As forças que combatem os rebeldes não registraram nenhuma grande vitória militar desde que tomaram cinco províncias do sul e Aden em 2015 graças à intervenção de uma coalizão liderada pela Arábia Saudita.

Originários do norte do país e apoiados pelo Irã, os rebeldes huthis continuam controlando a capital do Iêmen, Sanaa.

Desde 2015, a guerra no Iêmen deixou cerca de 10.000 mortos e mais de 55.000 feridos e provocou "a pior crise humanitária do mundo", segundo a ONU.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP