Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Trabalhadores limpam rio Tibú e reparam oleoduto após derramamento de petróleo em 1º de maio de 2008, em Norte de Santander

(afp_tickers)

A três dias de iniciar uma trégua bilateral com o ELN, essa guerrilha lançou uma ofensiva no nordeste da Colômbia que deixou um militar morto e três ataques a um oleoduto, disseram as autoridades nesta quinta-feira.

O soldado Víctor Javier González morreu na quarta-feira pelo disparo de um atirador de elite durante uma ação do ELN no município de Convención, no departamento de Norte de Santander, informou o Exército em comunicado.

Na mesma região os rebeldes atacaram em três ocasiões o oleoduto Caño Limón-Coveñas, causando derramamentos de petróleo em diversos rios dos departamentos de Norte de Santander e Arauca, fronteiriços com a Venezuela.

Os ataques ocorreram entre terça e quarta-feira.

"Foi o ELN (...), não podemos sequer duvidar", disse o general Jaime Carvajal, chefe da segunda divisão do Exército, à emissora W Radio.

O Exército de Libertação Nacional (ELN) acordou com o governo um cessar-fogo bilateral que começará em 1º de outubro como parte dos diálogos de paz que mantêm em Quito.

O cessar-fogo, o primeiro acordado por essa guerrilha de forma recíproca em 53 anos de luta armada, se estenderá a princípio até 9 de janeiro.

No entanto, até o momento, a única guerrilha ativa na Colômbia não reivindicou os ataques.

"Que bom seria o pronunciamento da Venezuela condenando os atentados do ELN já que a contaminação vai chegar até o lago de Maracaibo!", tuitou o chefe negociador do governo com essa guerrilha, Juan Camilo Restrepo.

Ao longo do ano foram registrados 46 ataques contra o oleoduto de 780 km, segundo a empresa Ecopetrol.

O ELN, com 1.500 combatentes, segundo as autoridades, se opõe às multinacionais petroleiras e mineradoras, alegando que exploram os recursos em detrimento da maioria da população.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP