Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 28 de junho de 2017 mostra o estilista francês Olivier Lapidus, em Paris

(afp_tickers)

O inovador estilista francês Olivier Lapidus, 59 anos, foi nomeado diretor artístico da Lanvin, segundo confirmação feita nessa terça-feira pela marca, a maison mais antiga da França, fundada em 1889.

"Fico feliz pela chegada de Olivier Lapidus à direção artística da Lanvin, com sua capacidade criativa que encontra a elegância que representou Jeanne Lanvin", declarou Shaw-Lan Wang, presidente e principal acionária da marca, em um comunicado.

"Sua ampla compreensão do universo da marca, do mundo da moda e do design, além de seu olhar absolutamente moderno, trarão para Lanvin novos horizontes", acrescentou a empresária chinesa.

Olivier Lapidus, precursor da moda que incorpora tecnologia de ponta, vai substituir Bouchra Jarrar, nomeada em março de 2016 para as coleções femininas da marca.

Sua saída foi anunciada na última quinta-feira como uma decisão "de comum acordo" e segundo pessoas próximas ao estilista, Lapidus vai começar a trabalhar "rapidamente".

Sua primeira coleção pela Lanvin será o prêt-à-porter feminino para o verão de 2018.

Lapidus é neto do estilista russo Ted Lapidus, que marcou a moda da década de 1960 e 1970 com propostas unissex e looks de estilo safári.

"É uma grande honra poder integrar a maison Lanvin e agradeço a senhora Wang de todo o coração pela confiança que me outorgou", afirmou o estilista.

Olivier Lapidus deixou a empresa da família há 17 anos para fundar a sua própria marca baseada na cultura digital.

Sua marca, 'Création Olivier Lapidus' é centrada no princípio de "Ver agora, comprar agora" (See Now, Buy Now) e oferece aos clientes a possibilidade de comprar imediatamente a coleção, que fica exposta online.

Pessoas próximas ao estilista afirmam que ele vai manter a sua empresa.

Na década de 1990, Olivier Lapidus começou a defender a ideia de uma mistura entre a Alta-Costura, de caráter artesanal, e os laboratórios de pesquisa industrial. Dessa proposta surgiram vestidos com painéis solares, feitos de fibra de frutas, e roupas que incorporavam pó de pedras preciosas.

Essa tendência permitiu ao estilista patentear várias ideias e o transformou em um pioneiro nesse campo, mas suas criações nem sempre foram bem recebidas pela imprensa.

- Dificuldades financeiras -

"Muita à frente de seu tempo, Olivier Lapidus sempre se interessou pelas novas tecnologias. É um estilista precursor, e hoje está em sintonia com as aspirações da sociedade e saberá enfrentar os desafios da maison Lanvin no século XXI", disse Shaw-Lan Wang no comunicado.

Tomar as rédeas da famosa marca será um grande desafio. A empresa enfrenta dificuldades financeiras há vários anos e não conseguiu se estabilizar desde a saída do estilista israelense Alber Elbaz em outubro de 2015.

A linha adotada pela última estilista, Bouchra Jarrar, era caracterizada por uma elegância sóbria e um estilo que ligava o feminino e o masculino, que foi aplaudida pela crítica mas não conseguiu o retorno financeiro satisfatório.

Segundo os números publicados pela imprensa, a marca teve em 2016 uma perda de 18,3 milhões de euros, com queda de 23% no volume de negócios, chegando a 123 milhões de euros.

AFP