Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os serviços de saúde de todo o mundo não atuam suficientemente contra o mau uso de antibióticos, o que favorece a resistência aos medicamentos e a morte provocada por doenças crônicas, advertiu nesta quarta-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

(afp_tickers)

Os serviços de saúde de todo o mundo não atuam suficientemente contra o mau uso de antibióticos, o que favorece a resistência aos medicamentos e a morte provocada por doenças crônicas, advertiu nesta quarta-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em seu primeiro estudo sobre a resposta dos países à resistência antimicrobiana - o fato de os micróbios se tornarem insensíveis aos medicamentos - a OMS ressalta que há grandes diferenças entre as diversas regiões do mundo.

"Trata-se do único e maior desafio das doenças infecciosas hoje em dia", considerou o doutor Keiji Fukuda, assistente do diretor-geral para a segurança da saúde.

"Todos os tipos de micróbios, incluindo muitos vírus e parasitas, se tornam resistentes aos medicamentos", explicou, expressando sua preocupação pelas "bactérias que cada vez são menos tratáveis com os antibióticos disponíveis".

A OMS já advertiu no ano passado sobre este tema e considerou que estava avançando em direção a uma época "pós-antibiótica", onde será possível morrer por doenças banais ou ferimentos leves.

A organização realizou em 133 países um estudo sobre a resposta à resistência a medicamentos antimicrobianos para tratar a pneumonia, a tuberculose, a malária e o vírus HIV.

Apenas 34 dos 133 países colocaram em prática políticas para lutar contra a resistência aos antibióticos.

Um dos problemas é a venda livre de antibióticos sem receita, ainda muito disseminada no mundo.

A falsificação e os medicamentos de má qualidade também são uma causa destes problemas, como os medicamentos que não contêm a quantidade suficiente de componentes ativos.

"A situação é alarmante", adverte o documento, que avisa que as pessoas não são conscientes destes problemas e que seguem acreditando que os antibióticos podem ser utilizados contra as infecções virais, quando isso não é verdade.

AFP