Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionários desinfetam o aeroporto Gimpo, em Seul

(afp_tickers)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta quarta-feira que a epidemia de MERS, que provocou 20 mortes na Coreia do Sul, é um sinal de alerta para que todos os países aumentem a vigilância.

"Esta epidemia é um sinal de alerta", disse o diretor geral adjunto da organização, Keiji Fukuda, em uma reunião do comitê de emergência.

"Todos os países deveriam estar preparados para a possibilidade de focos similares a este e de outras doenças infecciosas graves", destaca um comunicado da organização.

Apesar do alerta, a OMS decidiu não declarar estado de emergência internacional pelo coronavírus MERS porque ainda "não se apresentam as condições".

O coronavírus MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio) foi detectado na Coreia do Sul em 20 de maio, quando um homem de 68 anos foi diagnosticado com a doença depois de uma viagem à Arábia Saudita.

Seul anunciou nesta quarta-feira oito novos casos de infecção pelo coronavírus MERS. A última vítima da epidemia foi uma mulher de 54 anos, que morreu na quarta-feira de manhã duas semanas após ser diagnosticada com a doença, informou o ministério da Saúde coreano.

Os contágios se limitam principalmente aos hospitais, mas alguns dos pacientes diagnosticados nos últimos dias não estavam entre aqueles colocados em quarentena. O saldo das pessoas infectadas ultrapassa 160.

De acordo com as autoridades de saúde, a maioria das pessoas mortas já apresentava problemas de saúde antes de começar a epidemia.

O coronavírus MERS, contra o qual não há tratamento ou vacina, tem uma taxa de mortalidade de 35%, segundo a OMS.

As autoridades de saúde da Alemanha anunciaram na terça-feira que um alemão de 65 anos morreu em decorrência do coronavírus MERS, contraído em fevereiro durante uma viagem à Arábia Saudita. No país, mais de 950 pessoas contraíram o vírus desde 2012 e 412 delas morreram.

Para Fukuda, a epidemia "surpreendeu a todos" na Coreia do Sul, o que levou ao "atraso" da reação de Seul.

Apesar do alerta, a OMS decidiu não declarar estado de emergência internacional pelo coronavírus MERS porque ainda "não se apresentam as condições".

A OMS, que acaba de enviar uma equipe para a Coreia do Sul, mencionou a "falta de conhecimento" dos profissionais de saúde e do público em geral sobre o coronavírus MERS e "deficiências na prevenção de infecções e medidas de controle nos hospitais".

Os especialistas também destacaram o fato de que os pacientes infectados possam ter estado em contato com outras pessoas "em salas de emergência lotadas e com várias camas".

AFP