Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trabalhadores da saúde são vistos em Jendema, Serra Leoa, no dia 28 de março de 2015

(afp_tickers)

Trinta países têm sistemas de saúde frágeis, como os que não conseguiram impedir que um surto de Ebola provocasse milhares de mortos em Guiné, Libéria e Serra Leoa, avaliou nesta quinta-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A agência sanitária da ONU reforçou a urgência de se levar em conta o ocorrido no oeste da África, onde morreram 11.100 pessoas que contraíram o vírus Ebola e melhorar os sistemas de saúde para evitar desastres deste tipo.

É preciso ter sistemas de saúde capazes de "suportar choques como o surto de Ebola, um desastre natural ou uma crise financeira", avaliou Ruediger Krech, alto funcionário da OMS, em declarações à imprensa.

Os sistemas de saúde de Guiné, Serra Leoa e Libéria, debilitados pela pobreza e pelas guerras, não conseguiram enfrentar a epidemia de Ebola.

Krech disse que pelo menos mais 28 países, principalmente na África, mas também em Ásia e América Latina, também tinham sistemas de saúde frágeis.

República Democrática do Congo, Madagascar, Burundi, Sudão, Afeganistão e Haiti são alguns destes países.

Para Krech, destinar importantes somas de dinheiro não resolveria o problema, pois "há uma alta corrupção em muitos países".

Além disso, "o setor privado de saúde carece de regulação em muitos países", acrescentou.

A gestão da OMS da epidemia de Ebola, que infectou cerca de 26.800 pessoas, suscitou críticas.

A agência sanitária das Nações Unidas foi acusada de reagir muito lentamente aos casos de Ebola que começaram a se multiplicar em Guiné, Libéria e Serra Leoa na primeira metade de 2014.

Um grupo de especialistas independentes com mandato da ONU denunciou neste mês o atraso e as falhas da OMS em sua gestão da "epidemia sem precedentes" de Ebola.

O grupo presidido pela britânica Barbara Stocking, ex-presidente da Oxfam Grã-Bretanha, "continua sem entender porque os alertas precoces lançados entre maio e junho de 2014 não tiveram uma resposta séria e adequada", segundo o informe divulgado em uma versão preliminar. O texto final será publicado em meados de junho.

AFP