Navigation

OMS declara pandemia do novo coronavírus

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, participa de entrevista coletiva na sede da OMS, em Genebra afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. março 2020 - 16:49
(AFP)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta quarta-feira (11) que a epidemia de Covid-19, que infectou mais de 110.000 pessoas em todo o mundo desde o final de dezembro, pode ser considerada uma "pandemia", mas que pode ser "controlada".

Nas duas últimas semanas, o número de casos fora da China multiplicou 13 vezes e o número de países afetado triplicou, segundo a OMS.

"Estamos profundamente preocupados com os níveis alarmantes de propagação e de gravidade, bem como com os níveis alarmantes de inação" no mundo, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva em Genebra.

"Consideramos, então, que a Covid-19 pode ser caracterizada como uma pandemia", afirmou.

O chefe da OMS estimou que, "nos próximos dias e semanas", o número de casos, mortes e países afetados aumentará.

A organização voltou a pedir aos países, porém, que atuem para "conter" a epidemia, que já matou mais de 4.000 pessoas no mundo inteiro.

"Devemos ser mais agressivos", insistiu Tedros Adhanom Ghebreyesus, enfatizando que essa "pandemia" pode "ser controlada".

Aparecido em dezembro na China, o coronavírus afeta todos os continentes, exceto a Antártica, e atrapalha a vida cotidiana e econômica em um número crescente de países.

"O Irã e a Itália estão na linha de frente, estão sofrendo", disse o diretor-executivo do Programa de Emergência da OMS, Michael Ryan, assegurando que outros países enfrentariam a mesma situação.

"No momento, no Irã, há escassez de aparelhos respiratórios, de oxigênio", completou ele.

O diretor-geral da OMS afirmou que "o Irã está fazendo seu melhor".

"Eles precisam de muito equipamento. Estamos tentando mobilizar mais apoio ao Irã", frisou.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.