Navigation

OMS recomenda 'vigilância extrema' aos países em desconfinamento

(ARQUIVO)O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa sobre o surto de COVID-19 na sede da OMS em Genebra, em 9 de março de 2020. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. maio 2020 - 19:06
(AFP)

A OMS celebrou nesta segunda-feira (11) a remissão da pandemia do novo coronavírus em vários países, mas destacou a necessidade de "extrema vigilância" no período de desconfinamento.

Parte da Europa, incluindo França e Espanha, começou nesta segunda a abrandar as restrições adotadas para conter a propagação do vírus e impedir o colapso dos sistemas de saúde.

O desconfinamento é um sinal do "sucesso" dos esforços para "frear o vírus e salvar vidas", disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma entrevista transmitida da sede da agência sanitária da ONU em Genebra.

O diretor do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Michael Ryan, também apontou que há motivos para "esperança", mas incentivou os países afetados a adotarem "extrema vigilância".

Alguns países "fizeram investimentos significativos para melhorar sua capacidade de saúde pública durante o confinamento, outros não".

"Se a doença persistir em um nível baixo nos países que não têm capacidade de detectar os focos e identificá-los, existe o risco de a doença reaparecer", alertou.

Alguns países se lançaram "às cegas" ao desconfinamento, sem se equipar com os meios para testar e rastrear casos suspeitos, disse ele.

Os funcionários da OMS reforçaram que o retorno à normalidade, com os conhecimentos epidemiológicos atuais, não pode ser baseado em uma hipotética "imunização coletiva".

"Estudos sorológicos preliminares mostram que uma parcela relativamente baixa da população possui anticorpos contra a COVID-19", disse Tedros, o que significa que "a maioria da população ainda está exposta ao vírus".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.