Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O Brasil é um dos 58 países e territórios afetados pelo vírus zika

(afp_tickers)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou nesta quinta-feira que gestantes não viajem para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro, uma vez que o Brasil é o país mais afetado pelo zika vírus.

Em um comunicado, emitido em conjunto com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a OMS elaborou uma lista de dicas para os atletas e visitantes que vão viajar para o Rio de Janeiro para os jogos, programados de 5 de agosto a 18 de setembro.

O Brasil é um dos 58 países e territórios afetados pelo vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti e que pode causar microcefalia em fetos, uma malformação grave e irreversível caracterizada por um tamanho anormalmente pequeno do crânio.

A OMS e a OPAS enfatizam que os jogos serão realizados no inverno no Brasil, estação em que a atividade do mosquito é menor e onde o risco de picada é reduzido. Mas ambas as organizações "continuam a aconselhar as mulheres grávidas a não viajar para as regiões de transmissão do vírus zika, incluindo Rio de Janeiro".

"Também é aconselhável aos parceiros sexuais das mulheres grávidas que passaram por áreas afetadas de manter sexo seguro ou abster-se de sexo durante a gravidez", indica o comunicado.

De fato, vários casos de transmissão sexual do vírus zika foram registados após um dos parceiros ter visitado uma localidade em risco.

OMS e OPAS também recomendam aos atletas e visitantes que apliquem várias vezes ao dia repelentes e que vistam roupas cobrindo o máximo do corpo.

Também aconselham a usar preservativos ou se abster de sexo por pelo menos quatro semanas após visitar uma zona de risco.

Finalmente, ambas as organizações recomendam a não ir a áreas pobres e populosas, onde a falta de água corrente e higiene favorecem o desenvolvimento de mosquitos.

O Brasil é o país mais afetado pelo vírus, com cerca de um milhão e meio de pessoas contaminadas desde 2015.

AFP