Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A favela de West Point na capital Monróvia

(afp_tickers)

A ONG americana More Than Me, muito conceituada na Libéria, reconheceu neste sábado (13) a ocorrência de sérios erros internos depois que as alunas de uma escola destinada a combater a exploração sexual denunciaram ter sido sistematicamente estupradas pelo cofundador da organização humanitária, Macintosh Johnson.

"Sentimos muito", afirmou a ONG em seu site após a repercussão do escândalo registrado na escola localizada em uma favela de Monróvia.

Algumas vítimas tinham 10 anos e teme-se que Johnson tenha infectado algumas delas com o vírus da aids, o que causou sua própria morte, segundo informou o site de pesquisas ProPublica em um artigo publicado em conjunto com a revista Time.

"Para todas as meninas que foram estupradas por Macintosh Johnson em 2014 e antes: nós falhamos com vocês", declarou a More Than Me.

"Nós demos a Johnson um poder que ele explorou para abusar de crianças", continuou a ONG.

"Nossa administração deveria ter reconhecido os sinais antes e nós usamos e continuaremos usando programas de treinamento e conscientização para que não nos escape novamente", acrescentou.

Os abusos ocorreram em uma escola em West Point, um conhecido bairro da capital Monróvia.

O centro abriu em 2013 com grande publicidade e tornou-se a primeira das 18 escolas que o More Than Me inaugurou no empobrecido país da África Ocidental para empoderar meninas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP