Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Avião da American Airlines, no aeroporto de Dallas

(afp_tickers)

Um dos principais grupos de direitos civis dos Estados Unidos está advertindo os passageiros negros sobre voar pela American Airlines, dizendo que eles poderiam enfrentar um tratamento "desrespeitoso, discriminatório ou inseguro".

A NAACP informou na terça-feira que uma série de incidentes "incômodos" recentes "sugerem uma cultura corporativa de insensibilidade racial e possível preconceito racial por parte da American Airlines".

"À luz desses confrontos, nós hoje tomamos a ação de emitir avisos nacionais alertando os viajantes - especialmente os afro-americanos - para terem cuidado, na medida em que, ao reservar e embarcar um em voo da American Airlines, poderiam estar sujeitos a condições de desrespeito, discriminatórias ou inseguras" disse.

O CEO da American Airlines, Doug Parker, disse em uma nota aos funcionários nesta quarta-feira que a empresa estava "desapontada" com o aviso, acrescentando: "Nós não toleramos e não toleramos qualquer tipo de discriminação".

Após um pedido do grupo de direitos humanos, a American convidou os representantes da NAACP para se encontrarem com executivos da companhia aérea em sua sede em Fort Worth, Texas.

"Nós contatamos a NAACP e estamos ansiosos para encontrá-los para ouvir seus problemas e preocupações", disse Parker.

Entre os incidentes citados pela NAACP havia um envolvendo uma mulher afro-americana e seu bebê que foram retirados de um voo de Atlanta para Nova York depois que ela pediu que seu carrinho fosse recuperado da bagagem despachada antes dela sair do avião.

A NAACP não deu os nomes das pessoas envolvidas nos incidentes nem indicou quando eles ocorreram, e a American Airlines não comentou sobre as alegações específicas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP