Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Mosquitos infectados com malária são vistos em um laboratório, em Rockville, Maryland,

(afp_tickers)

A Venezuela registrou cerca de 125.000 casos de malária entre janeiro e julho de 2016, em comparação com os 136.000 notificados durante todo o ano passado, denunciaram nesta segunda-feira organizações não governamentais dedicadas à saúde e líderes da oposição.

"Retrocedemos 75 anos na luta contra a malária. (...) Este ano, até 23 de julho, havia mais de 125.000 casos registrados, e hoje provavelmente já ultrapassamos o recorde de 136.000 que tivemos em 2015", declarou a jornalistas Bernardo Guerra, médico e membro do partido opositor Ação Democrática.

Guerra afirmou que os dados correspondem a um "relatório oficial" do Ministério da Saúde, que acusou de "manter oculta a informação".

A ministra da Saúde, Luisana Melo, que não se referiu diretamente a registros sobre a malária, anunciou em janeiro passado que seu gabinete priorizou programas para prevenir e tratar doenças transmitidas por picadas de mosquitos, como malária, dengue e zika.

A Rede Defendamos a Epidemiologia - vinculada à ONG Observatório Venezuelano da Saúde (OVS) - afirma que o número de contágios neste ano já ultrapassou 130.000, segundo a imprensa.

"Não sei se foram feitas as atividades suficientes desde o ponto de vista de política sanitária para combater a epidemia", advertiu Guerra, acrescentando que 80% dos casos foram registrados em Bolívar (sul), mas que "houve uma expansão" a outros 15 dos 24 estados do país.

A Venezuela erradicou a malária em 1961, segundo certificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas a doença reapareceu nos últimos anos.

De acordo com a OMS, foram registrados 214 milhões de casos de malária em 2015 no mundo todo, com uma diminuição de 18% desde o ano 2000.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP