Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Socorristas e civis procuram vítimas nos escombros de um prédio de Gaza, após um ataque militar israelense

(afp_tickers)

A coordenadora da ONU para Assuntos Humanitários, Valerie Amos, expressou nesta quinta-feira preocupação com a situação dos civis em Gaza, que não têm onde se refugiar dos ataques aéreos de Israel.

"A realidade em Gaza, por mais esforços que Israel faça para minimizar o dano, é que é uma faixa de terra superpovoada", declarou Amos à BBC.

"44% de seu território foi declarado zona proibida pelo exército israelense, e não restam muitos locais onde as pessoas possam ir", afirmou.

Amos descreveu uma situação na qual "pessoas amontoadas em um pedaço de terra quase não podem se mover".

Mais de 700 palestinos, em sua maioria civis, morreram em Gaza desde o início da ofensiva israelense, há 17 dias.

Na quarta-feira as Nações Unidas declararam que três quartos das vítimas são civis e que entre eles há um terço de crianças falecidas.

"O trauma que estão vivendo é terrível, nos dois últimos dias uma criança morreu por hora. Todos deveríamos nos sentar por um momento e pensar nisso", declarou a funcionária da ONU.

AFP