Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plenário da ONU vazio antes do início de mais um dia de Assembleia Geral

(afp_tickers)

Os Estados Unidos vão adotar sanções contra empresas estrangeiras que negociarem com a Coreia do Norte, um primeiro passo para eventuais medidas punitivas contra companhias chinesas e de outros países.

O preisente Donald Trump, que na semana passada ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte em caso de ataque, assinou um decreto que permite sancionar "indivíduos e empresas que financiem ou facilitem o comércio com a Coreia do Norte", o que pode resultar em um ajuste dramático do cerco econômico em torno de Pyongyang.

Também informou que o Banco Central da China ordenou a suas filiais que limitem o comércio com a Coreia do Norte, uma decisão descrita como "audaz" e "inesperada".

A medida não foi confirmada imediatamente por Pequim, mas podea representar um corte vital das divisas estrangeiras ao regime de Pyongyang.

Além disso, os 28 estados-membros da União Europeia (UE) também deram sua aprovação à adoção de sanções extras contra Pyongyang em resposta a seus testes nucleares, segundo várias fontes diplomáticas.

Estas sanções serão acrescidas às adotadas pela ONU na semana passada e supõem uma proibição total para as empresas europeias de exportação petroleira ou investimentos na Coreia do Norte.

O presidente americano se reuniu com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e com o líder sul-coreano, Moon Jae-In, para avaliar as opções de que dispõem.

Antes do encontro com o chefe da Casa Branca, Moon pediu em seu discurso na ONU uma redução das tensões e alertou para o risco de uma guerra acidental.

"Não desejamos o colapso da Coreia do Norte", afirmou Moon. "A questão nuclear norte-coreana deve ser administrada de forma estável para que as tensões não se intensifiquem ou que confrontos militares acidentais destruam a paz", ressaltou.

Nunca antes a ameaça norte-corana pesou tanto no encontro anual de líderes mundiais, divididos sobre a melhor maneira de enfrentar o isolado regime de Kim Jong-un, apesar de, em agosto e setembro, terem conseguido adotar por unanimidade novas sanções contra a Coreia do Norte.

O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, e seu colega russo, Sergei Lavrov, que também falarão na Assembleia, fizeram um apelo ao diálogo e alertaram que uma opção militar seria catastrófica.

Em seu discurso na quarta-feira (20), Abe apoiou a posição dos Estados Unidos de que "todas as opções estão sobre a mesa" para dissuadir Kim.

- Ameaças militares como tática -

No Conselho de Segurança, que se reunirá nesta quinta-feira para debater a questão nuclear, o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, defenderá a implementação completa das sanções internacionais adotadas contra Pyongyang.

Uma oitava bateria de sanções foi aprovada em 12 de setembro, proibindo as exportações de têxteis e reduzindo o fornecimento de petróleo para a Coreia do Norte.

Washington e seus aliados esperam que essas sanções obriguem Pyongyang a negociar o fim de seus programa militares, mas seu impacto dependerá da China, aliado da Coreia do Norte e principal sócio econômico desse país.

Já Moscou e Pequim propuseram uma dupla moratória: sobre os testes norte-coreanos e sobre os exercícios militares de Estados Unidos e Coreia do Sul.

Ao inaugurar a Assembleia Geral, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou que "a retórica agressiva pode conduzir a mal-entendidos fatais e iniciar uma guerra nuclear".

No sábado (23), Guterres deve se reunir com o chanceler norte-coreano, Ri Yong-Ho, à margem da Assembleia, em busca da adesão ao diálogo.

O ministro Ri, que falará ao plenário nesta sexta, chamou as ameaças de Trump de "latido de cachorro" e disse que não terão qualquer impacto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP