Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um tratado para proibir armas nucleares em nível global foi aprovado nesta sexta-feira pela Organização das Nações Unidas, apesar da oposição dos Estados Unidos e de outras potências nucleares, que boicotaram as negociações

(afp_tickers)

Um tratado de proibição de armas nucleares deve ser adotado nesta sexta-feira nas Nações Unidas, apesar da oposição da França, Estados Unidos e outras potências nucleares, o que o torna em grande parte simbólico.

Os defensores do tratado o enxergam como um feito histórico, mas os Estados nucleares o consideram irrealista, considerando que não terá nenhum impacto sobre a redução do estoque global de cerca de 15.000 ogivas nucleares.

Liderados por Brasil, Áustria, México, África do Sul e Nova Zelândia, 141 Estados participaram das três semanas de negociações do tratado, que recomenda uma proibição total do desenvolvimento, armazenamento e ameaça de uso de armas nucleares.

Seus simpatizantes esperam que o tratado aumente a pressão sobre os Estados nucleares para que levem mais a sério o desarmamento.

"Será um momento histórico", declarou a embaixadora da Costa Rica, Elayne Whyte Gomez, que preside a conferência da ONU sobre o tratado. "O mundo espera há 70 anos esta norma legal", assegurou.

Nenhum dos nove países que possuem armas nucleares - Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, China, França, Índia, Paquistão, Coreia do Norte e Israel - participou nas negociações.

Mesmo o Japão, único país a ter sofrido um ataque nuclear em 1945, boicotou as negociações, bem como a maioria dos países da Otan.

"Essa iniciativa claramente descondiera a realidade do ambiente de segurança internacional", disseram embaixadores da ONU de Estados Unidos, Reino Unido e França.

"Esse tratado não traz nenhuma solução para a grave ameaça da Coreia do Norte, nem lida com outros desafios de segurança que tornam a disuassão nuclear necessária," disseram num pronunciamento conjunto.

- Meio de dissuasão -

O tratado será aplicável apenas aos Estados signatários.

Uma fonte diplomática de um dos países que se opõem a este texto acredita que "dá falsas esperanças" em relação "ao que realmente é possível para o desarmamento nuclear".

"Este tratado só irá enfraquecer o regime global de não proliferação", considera esta fonte que prefere a ideia de um desarmamento progressivo.

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, declarou na abertura das negociações, em 27 de março: "Não há nada que eu queira mais para a minha família do que um mundo sem armas nucleares, mas temos de ser realistas". "Quem acredita que a Coreia do Norte irá aceitar a proibição de armas nucleares?"

As potências nucleares alegam que o seu arsenal serve de dissuasão a um eventual ataque nuclear e lembram que continuam compromissados com o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP).

Este tratado de 1968, torna os signatários responsáveis ​​pela redução de seus estoques.

A Coreia do Norte tem acelerado seu programa de armas nucleares e de mísseis apesar do TNP e testou na terça-feira pela primeira vez um míssil intercontinental.

Os Estados Unidos, apoiados por vários aliados, pediram um reforço das sanções contra Pyongyang, e sugeriram que a opção militar permanece na mesa.

Mas a impaciência é crescente entre os países não-nucleares, que denunciam o ritmo lento do desarmamento e temem que essas armas de destruição em massa acabem por cair em mãos erradas.

Durante uma sessão da Assembleia Geral da ONU, o tratado deverá ser adotado por consenso entre os Estados que o negociaram. Após a adoção, será aberto à ratificação a partir de 20 de setembro e entrará em vigor após a assinatura de 50 países.

AFP