Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Tropas da Etiópia patrulham área administrativa de Abyei, entre o Sudão e o Sudão do Sul em dezembro de 2016

(afp_tickers)

A ONU aprovou nesta sexta-feira um corte de cerca de 600 milhões de dólares em seu orçamento de missão de paz, após a pressão dos Estados Unidos para reduzir o financiamento do organismo mundial.

A Assembleia-Geral aprovou por consenso o orçamento anual previsto de 7,3 bilhões de dólares, em comparação aos atuais 7,87 bilhões gastos em missões de paz no mundo todo.

Os Estados-membros da ONU aprovaram 6,8 bilhões de dólares para financiar 14 missões, mas outros 500 milhões - destinados às operações de paz no Haiti e na região sudanesa de Darfur - receberão a aprovação final em dezembro.

Os Estados Unidos, o maior contribuinte financeiro às missões de paz, queriam um corte de quase 1 bilhão de dólares, e a União Europeia também havia pedido para reduzir os custos para 7,3 bilhões de dólares.

Esse orçamento, no entanto, é menor do que o secretário-geral da ONU, o português Antônio Guterres, havia solicitado aos Estados-membros.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse que o financiamento é "significativamente menor" do que o disponível no ano passado, mas que o organismo mundial "fará tudo o que for possível para garantir que os mandatos sejam implementados".

"Não podemos subvalorizar o valor da manutenção da paz", disse Dujarric. "Continua sendo o instrumento mais rentável a disposição da comunidade internacional para prevenir conflitos e promover condições para uma paz duradoura", acrescentou.

AFP