Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) A península da Crimeia foi anexada pela Rússia em março de 2014

(afp_tickers)

A situação dos direitos humanos "se deteriorou significativamente" na Crimeia, península anexada pela Rússia em março de 2014 - alertou a ONU nesta segunda-feira (25), acusando agentes russos de "múltiplas e graves violações" cometidas impunemente.

"Múltiplas e graves violações do direito à integridade física e mental foram cometidas por agentes de Estado da Rússia na Crimeia desde 2014. A ausência de investigação sugere que seus autores se beneficiaram e continuam se beneficiando da impunidade", afirma o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, em um informe.

A agência fala de "graves violações dos direitos humanos, como detenções e prisões arbitrárias, desaparecimentos forçadas, maus-tratos, ou torturas, e pelo menos uma execução extrajudicial, que foram documentados" desde a anexação da Crimeia.

A Rússia anexou em 2014 a península ucraniana da Crimeia. Em represália, os países adotaram sanções contra Moscou.

A ONU também denuncia a "imposição" da cidadania russa e "um novo marco jurídico", que "limitou consideravelmente o exercício dos direitos humanos na Crimeia".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP