Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Amal Clooney nas Nações Unidas

(afp_tickers)

O Conselho de Segurança da ONU decidiu nesta quinta-feira (21) criar uma equipe de investigação para reunir provas sobre crimes do grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque, uma causa defendida por Amal Clooney.

Apresentada pelo Reino Unido, a resolução procura levar à Justiça os extremistas do EI identificados como responsáveis por crimes de guerra e foi defendida por Clooney, que esteve presente durante a votação.

A advogada especializada em direitos humanos representa as mulheres yazidis (uma minoria religiosa curda) que foram tomadas como reféns e usadas como escravas sexuais pelo grupo EI ao destruírem a região de Sinjar, no norte do Iraque, em agosto de 2014.

Amal, esposa do ator americano George Clooney, sentou-se ao lado de Nadia Murad, uma vítima da jihad sexual do EI, que milita para que os ataques contra sua comunidade sejam considerados genocídio. Por seus esforços, foi agraciada com o Prêmio Sakharov do Parlamento Europeu, no ano passado.

"Como é possível que nada tenha sido feito?", reclamou Amal Clooney em março, pedindo que o Iraque concordasse em investigar os crimes do EI.

"Há fossas comuns abertas. Testemunhas fugiram e nem um único militante do EI está sendo julgado por crimes internacionais em qualquer lugar do mundo", disse a advogada.

Após meses de pressão, o Iraque aceitou a investigação, que "apoiará os esforços nacionais para responsabilizar os jihadistas do EI".

De acordo com o que foi aprovado, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, apresentará ao Conselho, no prazo de 60 dias, detalhes do mandato do grupo de investigação que trabalhará com seus colegas iraquianos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP