Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro das Forças Democráticas Sírias, em Raqa, em 12 de julho de 2017

(afp_tickers)

Três meses após serem estabelecidas zonas de segurança na Síria por parte de Irã, Turquia e Rússia, centenas de milhares de civis continuam sem receber ajuda humanitária, lamentou a ONU nesta quinta-feira.

Nenhum comboio com ajuda chegou em julho aos civis nas 11 zonas de segurança, declarou ao Conselho de Segurança a subsecretária-geral para Assuntos Humanitários, Ursula Mueller.

Mueller acusou o governo sírio de bloquear os comboios de ajuda. Também acusou os grupos armados de obstaculizar o acesso dos civis a esses comboios, em particular em Idlib e em localidades do leste da Síria.

"Apesar da redução da violência, não conseguimos aumentar de maneira notável o alcance" da ajuda, declarou.

Durante os últimos dois meses, pouco mais de um terço de um milhão de sírios que vive em zonas sitiadas, até as quais é difícil de chegar, recebeu ajuda, afirmou.

A situação é particularmente difícil em Raqa, onde entre 20.000 e 50.000 pessoas estão presas em meio à ofensiva dos Estados Unidos e de seus aliados para recuperar a cidade, nas mãos do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

"Não tem jeito de sair", declarou Mueller, que mencionou o perigo das minas, os bombardeios, os atiradores de elite e as operações aéreas.

AFP